No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Jubileu de nossa Diocese de Bagé
Publicado em 15/06/2019

Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

E-mail: cleonir@ascap.org.br
Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

“60 anos: gratidão, compromisso e esperança”

Estamos chegando até vocês para convidá-los para o Jubileu de nossa querida Diocese de Bagé. Estamos abrindo as atividades comemorativas dos 60 anos de história nesse domingo, 16 de junho, em Santa Margarida do Sul, durante o Encontro Diocesano das Comunidades Eclesiais de Base. O Ano Jubilar se estende até a Romaria Diocesana, setembro de 2020. Escolhemos como lema para esse ano comemorativo: “60 anos: gratidão, compromisso e esperança”.
Uma data histórica, como é a dos 60 anos, por si só já garante e sustenta sua importância. Os personagens e os fatos, as conquistas e realizações, as lutas e as vitórias formam o monumento histórico de graças e responsabilidades, que o tempo não destrói. Se a esta história vivida, damos a merecida atenção celebrativa, enaltecendo-a e assumindo afetiva e efetivamente, teremos um futuro com muitas graças e bênçãos.
Neste momento em que celebramos os 60 anos, as três dimensões do tempo: passado, presente e futuro, integram-se para dar à comemoração um justo e merecido significado.
A gratidão é uma atitude de quem se sente tocado pela graça. A pessoa agradecida é uma pessoa feliz e comprometida. A melhor atitude que possamos ter é fazer de nossa vida uma resposta agradecida a Deus.
Quando olhamos para o passado percebemos que a riqueza que herdamos dos que nos precederam não é só material. Muito mais valor que os bens materiais que nos legaram, há o testemunho de vida, de doação, reconhecemos e louvamos o comprometimento de bispos, padres, religiosos e religiosas, leigos e leigas. A semente foi lançada na terra e cuidado com amor, responsabilidade e esperança.  A verdadeira gratidão nos põe em alerta para atualizar e qualificar, projetar e fazer multiplicar trinta, sessenta e cem por um os talentos recebidos (Mt 25, 14-30).
A segunda palavra que destacamos é o compromisso. Recordamos que a história dos 60 anos foi tecida por mentes, corações e mãos humanas, comprometidas com o Projeto do Reino de Deus. Não fosse assim seríamos como um corpo sem alma. Os alicerces de nossa diocese foram construídos com compromisso e responsabilidade, hoje podemos reafirmar o mesmo compromisso de manter essa igreja viva, comprometida com o projeto de Jesus Cristo. Não estamos sozinhos, contamos com a intercessão de nosso Padroeiro São Sebastião e Nossa Senhora Conquistadora.
Somos chamados a abraçar o futuro com esperança. A humanidade vive um momento de medos e incertezas. A igreja também vive um momento em que sentimos a necessidade de mudanças, mas, ao mesmo tempo, em seu próprio interior, vive resistências e temores ante o futuro. “É precisamente nestas incertezas que partilhamos com muitos de nossos contemporâneos, que atua a nossa esperança, fruto da fé no Senhor da história que continua a repetir: ‘Não tenhas medo (...), pois eu estou contigo” (Jr 1,8).
A esperança de que falamos não se funda sobre números ou sobre obras, mas sobre aquele em quem pusemos a nossa confiança (Cf. 2 Tm 1,12) e para quem ‘nada é impossível’ (Lc 1, 37).
A esperança no amanhã de nossa diocese depende daquela esperança que está profundamente enraizada em nossos corações. Somos esperança! Essa esperança permitirá escrever uma grande história no futuro, para o qual se deve voltar o nosso olhar, cientes de que é para ele que nos impele o Espírito Santo, a fim de continuar conosco a fazer grandes coisas” (Papa Francisco).
Agora é nossa vez: vamos cultivar o chão e semear a boa semente, para que os que vierem depois de nós, possam ser agraciados, como nós o somos, por aqueles que vieram antes de nós. Paz e Bem!

Email: cleonir@ascap.org.br
www.diocesedebagé.com.b

Deixe sua opinião