Feliz Páscoa
Publicado em 10/04/2020

Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

E-mail: cleonir@ascap.org.br
Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

“Eu vim para que tenham vida e vida em abundância” (Jo. 10,10)

Em Jesus ocorre algo totalmente novo. Ele traz uma nova maneira de viver que não cabe em nossos esquemas, que não se encaixa em nossos hábitos, sempre limitados e estreitos. 
O “mistério pascal” é o salto para a novidade, para a beleza, para a transcendência. Imersos na história e na natureza, a Ressurreição nos faz descobrir a verdadeira extensão da vida. 
Não encontramos o Ressuscitado no sepulcro, mas na vida. Não encontramos o Ressuscitado enfaixado e paralisado pela morte, mas livre como a brisa da vida. 
Na ressurreição, a vida emerge de forma misteriosa; ela se impõe, simplesmente. Tal realidade desperta fascinação, provoca admiração e veneração..., porque a vida é sempre sagrada. Diante dela, ficamos extasiados, boquiabertos, escancarados os olhos e afiados os ouvidos. Ela nos atrai por sua força interna. 
Portador de uma vida inesgotável, revelada na madrugada pascal, o ser humano vive para mergulhar em algo diferente, novo e melhor. A vida, desde o mais íntimo da pessoa humana, deseja ser despertada e iluminada em plenitude. Amar é romper a casca para que a vida se expanda na doação. A morte do falso “eu” é a condição para que a vida se liberte. 
Vida plena prometida por Jesus: “Eu vim para que tenham vida e vida em abundância” (Jo. 10,10). 
O encontro com o Ressuscitado é fonte de vida e vida em crescente amplitude. Quando nos dispomos a caminhar com Ele, sob a ação do Espírito, realiza-se em nós um processo de abertura e de superação, de crescimento e de reconstrução de nós mesmos...; tomamos consciência de uma dimensão profunda de nosso interior, que nos permite experimentar uma outra vida, que supera tudo o que vivemos até então. 
A experiência da Ressurreição nos revela que a “vida” é uma totalidade. Ou seja, a vida presente, a vida atual, é uma vida que tem tal plenitude que, com toda razão, podemos chamá-la de “vida eterna”, uma vida com tal força e tão sem limites, que nem a morte mesma terá poder sobre ela. 
A experiência do Ressuscitado nos faz ter um “caso de amor com a vida”, pois a vida autêntica é a vida movida, iluminada, impulsionada pelo amor. 
O Ressuscitado nos precede, nos sustenta e, na liberdade de seu amor, nos impele a ampliar nossa vida a serviço. Toda peregrinação, em clima de admiração e assombro, se revela rica em descobertas e surpresas, e desperta o coração para dimensões maiores que a rotina de cada dia. 
Vivemos um tempo e momento inédito e preocupante na história da humanidade. A pandemia toma conta do planeta e nos coloca em profunda reflexão e oração sobre sentido da vida, o sentido da vida nova que Jesus Cristo nos oferece na Páscoa. 
Este é o momento que Ele toca as nossas chagas e feridas e a de tantas irmãs e irmãos nossos. Deixemo-nos tocar por Ele, o Ressuscitado quer nos iluminar e dar sentido à nossa cruz, com sua vida pascal. 

Queridos e amados, vamos viver com alegria a Ressurreição de Cristo, pois com Ele, nós também ressuscitaremos.  Que os frutos do Ressuscitado nos ajude a construir um mundo mais humano, fraterno, justo e solidário.
 Feliz e Abençoada Páscoa! Paz e Bem!


Deixe sua opinião