A PAZ ESTEJA CONVOSCO
Publicado em 18/04/2020

Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

E-mail: cleonir@ascap.org.br
Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco (bispo de Bagé)

Nesse tempo pascal, recordamos que o Ressuscitado nos traz o dom da paz. Quanto precisamos de paz e como ansiamos pela paz! O quanto nosso coração tem sede de paz que só Deus pode nos dar. Somos aniquilados pelos medos da vida, pela ansiedade dos tempos e pelos nossos temores; somos aniquilados de um lado e de outro pelas frustrações, pelas derrotas. E, por não sabermos lidar com as situações adversas da vida, nós nos inquietamos; perdemos a paz, o sono, a tranquilidade, a naturalidade e, muitas vezes, nos tornamos pessoas duras, agressivas, egoístas e orgulhosas.

A sobrevivência ocupa muitas horas e provoca a elaboração de inúmeros pensamentos, inclusive faz surgir algumas preocupações. Viver é confrontar-se diariamente para harmonizar a interioridade e prosseguir na caminhada existencial. Não se trata de tarefa fácil alcançar a paz interior. A paz é um dom, mas é também o resultado do exercício ininterrupto da paciência, conjugado com a persistência. 

Em tempos de muitas indefinições, em relação ao amanhã, é bem fácil perder a paz interior. Para alguns, basta uma simples nuvem escura, para imaginar a chegada de um temporal. A paz não pode estar sempre de saída. É imprescindível ter uma grande atenção para não perder a paz, independentemente da situação. Um outro cuidado que se faz necessário é não permitir que os outros roubem a paz. 

Um comentário, uma fofoca ou julgamento podem fragilizar a paz. É estratégico não levar em conta todas as verbalizações, pois, infelizmente, a maldade desconhece alguns limites. Em todos os lugares é possível encontrar inveja, ciúmes, desafetos, que não contribuem e não favorecem ninguém. 
A paz interior não pode ser negociada, de nenhum jeito. Quando faltam algumas coisas materiais, a vida se adapta e segue em frente. A ausência da paz, no entanto, é capaz de desencadear mal-estar e a perda da alegria de viver.    Os outros nem sempre irão se preocupar se você tem ou não a paz. Portanto, cada qual é responsável por impedir que a paz seja dizimada.

 Apesar de tudo, o tempo é de esperança! “Tudo vai dar certo! Não é otimismo, é fé!” A vida é feita das pequenas ‘ressurreições’ de cada dia, na medida que tomamos consciência de que a vitória final será justamente da vida e não da morte. Para além da passagem, que todos terão que fazer um dia, está a eternidade, como opção de felicidade. 
O otimismo é fundamental para harmonizar as relações e provocar o ato de empreender. Porém, o otimismo necessita de um sustentáculo e este advém da fé. Para ter fé não basta saber algumas orações ou seguir determinadas regras. A verdadeira fé brota de um coração que sabe transcender, que compreende e aceita que a existência não se limita ao físico. Em todos os tempos, a fé sempre cumpriu um papel fundamental, inclusive para o desenvolvimento social e estrutural.
Que possamos viver bem este tempo de recolhimento e isolamento social. Aproveite essa oportunidade para se aproximar mais de Deus e de sua família. Deus vos abençoe e vos livre de todo mal.


Deixe sua opinião