No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Um balanço de 2018 e desafios para 2019
Publicado em 04/01/2019

Divaldo Lara

Prefeito de Bagé
Divaldo Lara

Início de ano é época de fazer planos. E, olhar para o ano que passou é prática comum para fazer planejamentos, com a experiência do que já foi vivenciado. Contudo, 2018 foi um ano de lutas e também de muitas conquistas. Foi o ano em que tivemos que enfrentar, além dos desafios diários de um município que ficou muito tempo sem desenvolvimento, o oportunismo dos inimigos da cidade, aqueles poucos que torcem contra, que defendem colorações partidárias acima do interesse público, porém, como já vem sendo provado, não prevalecerão.  O saldo de 2018 foi positivo, muito positivo. Foi o ano em que iniciamos a construção de 1 164 novas residências, que hoje já estão com mais de 60% das edificações concluídas, pois em novembro vivenciamos a emoção das primeiras 564 famílias sorteadas, confirmando a saída do aluguel, a moradia na beira do arroio ou da casa de parentes, para um lugar digno e próprio. Também foi o ano em que fechamos a marca de 20 quilômetros de asfalto na cidade, inclusive, com a obra em andamento no bairro Dois Irmãos, que está sendo totalmente asfaltado. Qual foi a última vez que tivemos, em Bagé, um bairro inteiro sendo asfaltado? Pois este, somado a tantos outros lugares, como a avenida Padre Abílio Sponchiado, recém-concluída; o anel rodoviário, entregue em julho; e a Attila Taborda também entregue em 2018. Hoje, esses são alguns dos caminhos que os bageenses percorrem sem poeiras e sem buracos. O acesso aos residenciais do bairro Morgado Rosa, na rua Breno Machado, também já está asfaltado.  Todos com asfalto novo e refeito, com cinco centímetros de espessura. Aliás, a quantidade, apenas como comparativo, foi maior do que o realizado em Porto Alegre, cidade de grande porte. A frota da Saúde está totalmente renovada, com 22 veículos novos, inclusive, com um ônibus adaptado. Estes transportam mais de três mil bageenses por mês, para realizarem tratamento fora do município com qualidade e segurança. E, para complementar este serviço, a conquista que considero uma das mais relevantes do nosso governo, uma casa de hospedagem em Porto Alegre para quem se encontra em estado vulnerável de saúde e que precisa realizar tratamento na capital.  Nossa casa de hospedagem abriga, semanalmente, cerca de 30 a 40 pessoas que pernoitam no local. Durante o dia, o fluxo é maior para os pacientes que passam pela cidade, mas que não necessitam pernoitar, contudo, que oferece abrigo, acolhimento, tanto para pacientes quanto para motoristas que descansam, fazem refeições, tomam um banho após a chegada, ou antes do retorno de uma viagem cansativa, de 380 quilômetros. Somos a única cidade do Estado que oferece, via município, este auxílio aos seus conterrâneos. Agora, também abrimos o espaço para os pacientes de municípios vizinhos que estão em tratamento oncológico. Além disso, vale lembrar que 2018 também foi o ano de malabarismos para equilibrar as contas da prefeitura de modo que não faltassem recursos para o pagamento em dia dos servidores, algo que muitos municípios, mesmo de porte maior, infelizmente, não têm conseguido cumprir.  Equilibrar as dívidas milionárias do passado (como a dos precatórios e outras, até em dólar) que precisam ser pagas, adicionado à manutenção da folha dos servidores em dia, bem como a realização de obras, não é tarefa fácil. Hoje, somos o governo que mais pagou precatórios na história de Bagé, chegando a R$ 19 milhões. E, neste quesito, para 2019, precisaremos apertar ainda mais o cinto da economia para garantir a estabilidade, para que mantenhamos o compromisso de pagar as dívidas do passado e também realizar novos investimentos em obras e ações. Uma das formas de economia, entre outras, será o cancelamento de todas as festas e eventos que não sejam autossustentáveis para o município. Diálogo, união e um grande pacto pelo desenvolvimento da nossa cidade serão imprescindíveis. Só assim conseguiremos manter este equilíbrio, já que nossa dívida com precatórios, por determinação judicial, deve ser paga em até 60 meses. E o valor acumulado, de mais de 30 anos anteriores, chega a R$ 65 milhões.  Para o ano que inicia agora, também está reservado o sorteio das outras 600 residências, o que ocorrerá logo nos primeiros meses. Além disso, será um ano decisivo para tocar em frente a construção da nossa barragem da Arvorezinha, assumida como uma das prioridades do governo federal, que inicia a liderança do país.  Bagé ainda está distante do status de ideal, principalmente no quesito de ruas e sabemos disto, mas não se pode negar os avanços, por isso volto a afirmar 2018 foi um ano muito positivo. Nesta coluna, citei apenas algumas conquistas e continuarei a falar sobre tantas outras nas próximas edições. Acompanhem, pois já somam mais de 100!  

Deixe sua opinião