O Visconde de Ribeiro Magalhães 69642
Publicado em 15/01/2018

Cid M. Marinho

Cidade: Bagé / RS
Cid M. Marinho

Foto: Reprodução/FS

Antônio Nunes de Ribeiro Magalhães nasceu em Portugal em 5 de outubro de 1841. Em 1853, embarcou num veleiro com destino a cidade de Rio Grande. Logo chegando, com apenas 12 anos de idade, foi trabalhar como caixeiro em um armazém, e graças ao seu trabalho e dedicação, foi recomendado para um próspero comerciante de Lavras do Sul. No início, era empregado, em seguida, tornou-se sócio. Em pouco tempo, abriu um negócio próprio, que funcionou até 1872. Depois, mudou-se para o distrito de Piraí e casou-se com dona Thereza Pimentel. Em 1885, veio para Bagé e montou uma grande loja na avenida Sete de Setembro com a antiga rua Três de Fevereiro (atual Câmara de Vereadores).
Em 1894, fundou, nos arredores da cidade, a "Charqueada do Cotovelo". Ali prosperou devido a seu poderoso tino administrador. Pouco depois, construiu a "Charqueada de Santa Thereza" (nome dado em homenagem a sua esposa), inaugurada em 1897. O título de "Visconde de Ribeiro Magalhães" foi concedido pelo rei de Portugal, Dom Carlos, em 29 de agosto de 1906. Em 1907, o visconde comprou a Companhia Industrial Bageense e passou a chamá-la  de "Charqueada Industrial" (atual Mercosul). Tornou-se um dos maiores proprietários de terras do Rio Grande do Sul. Tinha várias estâncias e um rebanho bovino de mais de 30 000 cabeças.
Em 1916, era considerado o maior proprietário de prédios em Bagé. Também tinha propriedades em Rio Grande, São Paulo e Portugal. Em 1923, por causa da má administração dos negócios, provocada pelos seus filhos, veio a falência comercial. Parte dos bens da família foi vendida para saldar as dívidas. Outros bens passaram ao controle dos bancos. Mostrando uma fibra incomum, o visconde ainda tentou uma revitalização da "Charqueada de Santa Thereza", mas não chegou a concretizá-la porque morreu em 11 de janeiro de 1926, aos 85 anos.
O "Arquivo Público Tarcísio Taborda", localizado no antigo prédio da Cobagelã, dispõe, em seu vasto acervo, de fotos, documentos e objetos pessoais, que pertenceram ao Visconde de Ribeiro Magalhães. O Arquivo Público fica aberto para visitas e pesquisas de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.

Deixe sua opinião