Exposição ao sol
Publicado em 12/12/2019

Folhinha

Foto: Reprodução/FS

página 3

Ir com a família para uma praia por alguns dias é o sonho de todo o mundo. Mas para a diversão ser completa, é preciso ter alguns cuidados, principalmente, com as crianças. Nesta edição, confira as orientações para prevenir as queimaduras no verão.

Cuidado com as crianças no sol
Ah, o verão! A estação mais quente do ano requer cuidados especiais com as crianças, que ficam mais suscetíveis. Um dos problemas que podem surgir é a queimadura solar.
Quando uma criança se queima com o sol, primeiramente devemos comprovar a gravidade da queimadura e levá-la ao pediatra o quanto antes, principalmente, se houver queimado uma área grande do corpo ou se a criança apresentar vômitos ou tonturas. 
Segundo o pediatra Rodrigo Prado, a queimadura solar é causada pela radiação ultravioleta, devido à exposição prolongada ou repetida à luz solar. Envelhece a pele e aumenta o risco de câncer e infecção. No caso das crianças, o médico enfatiza que àquelas de pele clara são mais vulneráveis. Os sinais costumam surgir em uma hora, mas podem levar mais de 12 horas para se intensificarem.
Entre os sintomas, o pediatra destaca a pele quente, vermelha, dolorida e, às vezes, pruriginosa. “Queimaduras mais sérias podem produzir bolhas e descamação, dor de cabeça, febre e desmaio”, elucida.
Para prevenir, o médico recomenda usar filtro solar, mesmo nos dias nublados, assim como o uso de bonés e roupas protetoras. Não confiar apenas no guarda-sol, pois muitos não protegem a radiação. Evitar sol entre as 10h e 16h. “Camiseta, bonés e chapéus de abas largas, além do guarda-sol nas praias e clubes, são acessórios indispensáveis para os que desejam passar um tempo aproveitando o sol”, recomenda.
O protetor solar com um índice de proteção elevado não pode faltar na maleta das férias. Crianças e adultos devem se proteger do sol, tanto pela própria saúde como para poder desfrutar ao máximo dos dias de piscina e praia. 
No verão, os cuidados com a saúde devem ser redobrados, especialmente com a pele infantil, a hidratação e a alimentação. O consumo frequente de água, suco e isotônicos, a ingestão de frutas, legumes e verduras, e a proteção dos raios de sol, com uso de roupas leves, são fundamentais para aproveitar essa época sem afetar o bem-estar.
Em caso de queimaduras, algumas medidas caseiras podem amenizar os danos. Para aliviar a ardência, é indicada a aplicação de um pano úmido com água fria no local atingido por aproximadamente 10 minutos. Quando a pele começa a descascar, hidratantes a base de água ou de aloe vera podem ser passados para diminuir a coceira.
Queimaduras de segundo grau apresentam bolhas. Nesses casos, não se deve estourar, nem cobrir com curativo, uma vez que facilita o desenvolvimento de infecções. A insolação, causada pela permanência excessiva sob o sol e desidratação é observada em casos graves, quando acompanhada de febre e dor intensa. A criança deve ser encaminhada rapidamente a um pronto-atendimento se desmaiar ou vomitar.

Deixe sua opinião