Eu não gosto! Eu não quero!
Publicado em 11/09/2013

Folhinha

Foto: Divulgação/FS

Todo pai já passou, ou ainda passa, pela fase em que os pequenos se recusam a comer determinados alimentos, preferindo sempre as guloseimas que não fazem tão bem à saúde. Para deixar o momento das refeições mais divertido e fácil, a nutricionista Ângela Nicoloso Knorr dá dicas.
Ângela explica que, na maioria dos casos, a criança inicia a recusa aos alimentos na fase escolar. “É nesta fase que elas experimentam uma maior autonomia, como uma maneira de chamar a atenção, demonstrando que elas podem ter seu poder de escolha. É pouco provável que esteja ligado a algum fator orgânico, na maior parte das vezes é comportamental”, conta.
A nutricionista completa que chantagens como "se comer todo o almoço vai ganhar um doce" ou "só pode sair da mesa se comer tudo" não trazem resultados satisfatórios e formam um ciclo vicioso. “As melhores alternativas serão sempre as das explicações. A criança precisa saber porque precisa comer e a importância dos alimentos saudáveis, principalmente no dia a dia. Caso a criança coma tudo, pensando na recompensa, sempre vai haver esta associação: "só vou comer porque vou ganhar um chocolate", e não vai entender realmente a importância da alimentação”, explica.
Ela chama atenção para o consumo de doces e guloseimas esporadicamente, e não rotineiramente. Ângela completa que brigas e discussões na hora das refeições devem ser evitadas e o ambiente deve ser neutro. “A mesa é o local adequado só para o convívio e horários devem ser respeitados. Além disso, observar se a criança não comeu balas, chocolates ou outros alimentos que goste, antes das refeições principais, é importante, pois eles tiram totalmente o apetite”, pontua.
A nutricionista acrescenta que o consumo de vegetais e legumes é imprescindível para toda a família, mas acostumar a criança a ingeri-los faz com estes alimentos sejam incorporados na sua dieta na vida adulta. Pratos coloridos e divertidos também são importantes, pois crianças precisam que as coisas sejam apresentadas de forma lúdica.
Outra dica que Ângela dá é quanto a quantidade de vezes que o alimento deve ser oferecido à criança. “O alimento recusado precisa ser oferecido aos pequenos das mais diferentes formas. É preciso que se ofereça mais de 10 vezes o mesmo alimento, até comprovar se a criança vai recusar mesmo”, afirma.

Sanduíche divertido
- 2 fatias de pão de forma
- Queijo mussarela
- Requeijão
- Alface - bem picadinha, fazendo o cabelo do boneco
- Tomate cereja - 2 rodelas fazendo os olhos
- Cenoura - 1 pedaço em forma palito para o nariz e outro para a boca

Deixe sua opinião