Tipos de doenças ligadas à musculatura e tratamentos
Publicado em 18/06/2013

Folha Saúde

Foto: Divulgação/FS

Artrite e lesões nas mãos

Há mais de 300 doenças diferentes ligadas à musculatura. As mais comuns são as que acometem articulações, músculos, ligamentos e tendões. Um dos principais sintomas da doença é a dor. Todavia, dores articulares podem ocorrer por diversas razões. Às vezes, a pessoa pisa de mau jeito ou exagera nos exercícios, e as articulações ficam doloridas.
É importante levantar a história clínica do paciente para determinar se a origem da dor é mecânica ou inflamatória. Se a pessoa torceu o tornozelo, que inchou e continua inflamado, obviamente a causa é mecânica e a dor é provocada por inflamação, porque um líquido se formou dentro das articulações. Em outras palavras: a membrana sinovial que forra o interior da articulação começa a produzir um líquido que determina o processo inflamatório. Nos casos de reumatismo, a dor é causada por inflamação sem história de entorse, traumatismos ou esforço repetitivo.
Reumatismo é uma doença que acomete crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos, e existem tipos preferenciais de acordo com a idade. A febre reumática, por exemplo, acomete principalmente crianças. O lúpus eritematoso sistêmico, uma doença autoimune, em geral se manifesta no sexo feminino, durante a puberdade, quando ocorrem alterações hormonais em virtude da transformação do sistema endócrino. Já nas pessoas de mais idade, os tipos predominantes são, sem dúvida, a artrose e a artrite reumatoide.
A artrose aparece depois dos 50 anos e evolui progressivamente a ponto de, aos 80 anos, todas as pessoas (100%) terem uma alteração da cartilagem que, no decorrer dos anos, vai deformando as articulações. Por que algumas pessoas sentem dor e outras não, não é bem conhecido. Há quem descubra que tem bico-de-papagaio na coluna, quando tira uma radiografia por outro motivo qualquer. Do mesmo modo, pequenas deformidades nas mãos (nódulos de Heberden), próprias da artrose, podem provocar muita dor ou dor nenhuma dependendo do paciente.
Já a artrite reumatoide é uma doença autoimune que se caracteriza por inflamação que pode provocar também pequenas deformidades nas mãos. Como o sistema imunológico está envolvido no aparecimento da doença, de acordo com as características genéticas do indivíduo, sua intensidade varia para mais ou para menos.

Tratamentos
Normalmente, o tratamento começa por se dirigir aos sintomas na medida em que são estes que mais incomodam e prejudicam a vida normal do doente.
As opções incluem a medicação com analgésicos e antiinflamatórios, exercícios, alimentação adequada e, por vezes, também determinadas adaptações e ajudas às atividades diárias dos pacientes. Nas fases mais adiantadas da doença em que já existem alterações marcadas das articulações, será necessário optar por um tratamento cirúrgico de correção ou de adaptação.
É por isso que é necessário contar não só com o apoio do médico como ainda do fisiatra, do dietista e de técnicos em terapia ocupacional, eventualmente do cirurgião.
Existem três tipos principais de tratamentos medicamentosos: os antiinflamatórios não esteróides (Aines), que se destinam essencialmente a diminuir a dor e a inflamação; os corticosteroides, que são antiinflamatórios com um efeito ainda mais potente, mas com mais efeitos secundários; e os medicamentos que se destinam, especificamente, a abrandar ou evitar a evolução da doença reumatismal, mas todos devem ser comprados com orientação médica.

Antiinflamatórios
São medicamentos geralmente muito eficazes na diminuição da inflamação e da dor, mas necessitam, normalmente, ser tomados diariamente, muitas vezes mais de uma dose por dia, o que acaba por afetar, sobretudo, o estômago, devido à irritação que provocam. É por isso que devem sempre ser tomados juntamente com as refeições e, frequentemente, associados com drogas protetoras da mucosa gástrica. Mesmo assim podem provocar o aparecimento de úlceras.

Corticosteroides
Os corticosteroides são versões sintetizadas da cortisona, que é uma hormona produzida naturalmente pelo nosso organismo. Têm um potente efeito na redução da inflamação e da dor e atuam, ainda, na diminuição da atividade do sistema imunitário. São normalmente prescritos quando as outras medicações não conseguem diminuir as queixas e podem, também, ser usados diretamente nos locais afetados sob a forma de infiltrações.
Embora com efeitos espetaculares, os corticosteroides devem ser utilizados com muito cuidado, devido aos efeitos secundários que podem causar. Sendo assim, os médicos geralmente utilizam para aliviar os sintomas em fase aguda, diminuindo-se depois, gradualmente, a sua dosagem.
Neste momento, está em fase de teste uma vacina contra a artrite, havendo vários medicamentos e tratamentos promissores no horizonte.

Cirurgia
Quando os outros tratamentos falham e a doença continua a evoluir e a causar limitações importantes, a cirurgia é uma importante alternativa a considerar, uma vez que pode resolver muitos casos que, de outro modo, estariam condenados a um sofrimento permanente e limitação grave da vida ativa.
Desde a remoção dos tecidos sinoviais inflamados (sinoviectomia), ao alinhamento de uma articulação (osteotomia), até a reconstrução de tendões, existem muitos processos cirúrgicos nas artrites.
A cirurgia mais comum nestas afecções é, no entanto, a aplicação de próteses articulares (artroplastia), que são articulações artificiais destinadas a substituir zonas bastante degeneradas, como, por exemplo, o quadril e o joelho.

Outros tratamentos
O exercício físico é extremamente importante a fim de manter a função das articulações, fortalecer ossos e músculos, diminuir a fadiga e a dor. No entanto, é fundamental nunca exagerar e saber quando parar ou limitar os movimentos.
O tipo de movimentos a efetuar devem ser de preferência orientados por um especialista e têm dois objetivos principais em vista: fortalecer os músculos, ossos e tendões da zona afetada, e aumentar ou melhorar a amplitude dos movimentos.

Calor e frio
Há uma certa confusão sobre quando usar calor ou frio no caso de dores articulares. De um modo geral, a aplicação de banhos quentes ou sacos de água quente, aplicados por cerca de 15 minutos, podem aliviar as zonas de dor crónica. O frio, aplicado através de um saco com gelo envolvido numa toalha, está mais indicado nas situações em que haja edema (inchaço).
De qualquer modo, deve ser o médico a decidir qual o tipo de opção tomar, sabendo-se que a aplicação de frio está contraindicada nos casos de circulação deficiente.

Massagens
As massagens podem ser de grande utilidade, uma vez que aumentam a circulação nas zonas afetadas, diminuindo as dores. Mas devem apenas ser feitas por pessoal qualificado a fim de evitar situações em que, em vez de melhorar, se agrave a situação.

Deixe sua opinião