Hérnia de Disco: nem sempre a cirurgia é o único caminho
Publicado em 30/10/2012

Folha Saúde

Foto: -

Marisa Quadros salienta a importância da prevenção

A coluna é composta por vértebras, em cujo interior existe um canal por onde passa a medula espinhal ou nervosa.
A Fisioterapeuta Marisa Flores de Quadros, que trabalha no Posto de Atendimento 1 – PAM 1, informa que entre as vértebras cervicais, torácicas e lombares, estão os discos intervertebrais, estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico cuja função é evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto. “Os discos intervertebrais desgastam-se com o tempo e o uso repetitivo, o que facilita a formação de hérnias de disco, ou seja, parte deles sai da posição normal e comprime as raízes nervosas que emergem da coluna”, explica.
Marisa também ressalta que o problema é mais frequente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga. “O tratamento no posto é geralmente feito em grupos, primeiramente faço o diagnóstico, nem sempre é como se pensa, a cirurgia não é o único tratamento para hérnia de disco, mas com fisioterapia também pode se obter alívio e melhorias”, destaca.

Causas
A fisioterapeuta também declara que a predisposição genética é a causa de maior importância para a formação de hérnias discais, seguida do envelhecimento, da pouca atividade física e do tabagismo. “Carregar ou levantar muito peso também pode comprometer a integridade do sistema muscular que dá sustentação à coluna vertebral e favorecer o aparecimento de hérnias discais”, relata.
A hérnia de disco acomete mais as pessoas entre 30 e 50 anos, o que não quer dizer que crianças, jovens e idosos estejam livres dela, informa a fisioterapeuta Marisa Quadros. “Estudos radiológicos mostram que depois dos 50 anos, 30% da população mundial apresenta alguma forma assintomática desse tipo de afecção na coluna”, declara.

Deixe sua opinião