Encerramento e início de ciclos
Publicado em 24/12/2019

Folha Saúde

Foto: Reprodução/FS

capa


O que podemos fazer no Ano-Novo novo que começa?


Por Vanderlei Simões (Instagram @vanderlei_simes)
Psicólogo Clinipampa (Instagram @clinipampa)

Quando um ano que nada mais é do que 12 meses bem organizados em um calendário começa a ter fim, surge uma série de preparativos para simbolizar o encerramento de um ciclo e festejar o ano-novo que se aproxima. É tempo de arrumar a casa, decorar a árvore de Natal, enchê-la das bolinhas e luzes que ficaram guardadas durante meses esperando esse momento.
Também se torna tempo de organizar os amigos secretos, de reunir a família e realizar uma saga atrás dos presentes de fim de ano. Contudo, ao mesmo tempo, surge uma espécie de peregrinação aos videntes e astrólogos; as mensagens do zodíaco ganham importância fundamental e quase todo mundo quer saber as previsões para o novo ano.
Não é à toa que fazemos esses rituais todos os finais de ano, pois eles atestam a nossa fragilidade e a busca incessante por algo melhor e não há um mal em fazer o que fazemos, mas se o fazemos é porque algo estamos buscando.
O festejar e o reunir a família atestam o nosso desejo de amar e ser amado. Já a busca por previsões do futuro, atesta a esperança por respostas de fora para as nossas angústias e anseios internos. Sendo assim, o fechamento desse ciclo traz, com ele, uma ambiguidade feliz e esperançosa, para uns; triste e preocupante, para outros.
Estamos vivendo em tempos difíceis. É a chamada era das depressões e da ansiedade. A maneira como estamos levando a vida nos preocupando mais com o final e com o começo do que com o todo, não tem nos ajudado muito. Por isso, precisamos pensar em fazer diferente.
E se ao invés das tradicionais buscas de respostas sobre o futuro, nos preocupemos em arrumar o que a dentro de nós, aumentar o nosso autoconhecimento e ver o quanto podemos nos ajudar, os processos terapêuticos estão aí para isso?
E se ao invés de cuidarmos mais da casa, da família e dos amigos no final do ano, passemos a cuidar com mais frequência desses bens o ano inteiro? A troca de presentes é puramente simbólica, o que realmente importa é o amor compartilhado.
O período do ano angustiante para aqueles que têm dúvidas, pode ser também o mais tranquilo para quem decide cuidar bem da sua vida o ano inteiro, de suas escolhas e das pessoas que lhe cercam. Não podemos nos preocupar em separar o joio do trigo nos 45 do segundo tempo, isso tem que ser tarefa diária para quem quiser ter saúde mental.
Se um novo ciclo traz com ele muitas incertezas, então devemos ter em mente que não há problema que não possa ser resolvido por nós mesmos. E se nos depararmos com o fato de que não iremos conseguir lutar sozinhos, então precisamos buscar ajuda que pode ser dada por um bom livro, a realização de atividades físicas e um processo terapêutico; enfim, não vamos medir esforços para nos ajudar em 2020 e assim poder torná-lo sensacional. 


Encerrando o ano: o que ficou do período que termina?
Fazer uma retrospectiva de todos os momentos marcantes, bons ou ruins, que ocorreram ao longo desse período é um exercício que nos prepara para o que está por vir.
O que aconteceu durante esse ano? Percebe alguma mudança Ao longo desse período? Consegue se lembrar dos objetivos iniciais e se eles foram realizados? É importante refletir sobre as conquistas, os pontos positivos, as atitudes que merecem ser destacadas, mas também sobre o que não deu certo. Isso nos orienta e nos auxilia para as novas realizações.


A palavra do ano
Um novo ano é o momento para virar uma nova página. Provavelmente, é por isso que tantas pessoas pensam nas resoluções de ano-novo. De fato, costuma parecer um novo começo, uma grande oportunidade para eliminar maus hábitos e estabelecer novas rotinas que te ajudarão a crescer psicologicamente, emocionalmente, socialmente, fisicamente ou intelectualmente.
Uma resolução aborda a intenção de fazer algo na sua vida. Por exemplo: Se eu fizer isso (exercício), terei isso (um corpo saudável) e serei (confiante). Escolher uma palavra é como um trabalho mais profundo. Não está mexendo com o nível fazer ou ter. Está focado em ser. Começe pensando onde quer estar. Portanto, se quer ter confiança, por exemplo, sua palavra do ano poderia ser ousadia.
Basicamente é a escolha de apenas uma palavra que define a intenção para o ano inteiro, isso ajuda a evitar o fracasso por não manter suas resoluções. A palavra do ano permite que a pessoa siga o próprio ritmo. Escolher uma palavra se torna um tópico muito mais amplo e, portanto, envolve toda a vida e não apenas se quer emagrecer ou economizar dinheiro. A pessoa começa a mudar pequenas coisas, mas em mais de uma área da vida.

Deixe sua opinião