Dependência, tratamentos e família
Publicado em 23/10/2012

Folha Saúde

Página 3

Foto: -

Dra Carla Bicca


Dependência química é sempre um tema tabu em meio à comunidade. Os profissionais da saúde a muito tentam combater esse mal que faz cada dia mais vítimas.
Quando a família procura profissionais, pedindo ajuda para um filho adolescente, que está vivendo uma situação especial de uso de drogas, eles fazem um pedido para atendermos seu filho e não se sentem incluídos nessa consulta ou nesse pedido de ajuda. Em geral o filho não está pedindo ajuda, nem acha o uso de drogas um problema.
Nesta semana, a médica psiquiatra, Carla Bicca, trouxe o tema para Bagé em uma palestra para profissionais da saúde. De acordo com a médica a ideia é tratar o tema dentro do contexto familiar. “O único caminho ainda é a prevenção, estamos em um momento que devemos orientar e não esconder, o apelo para o uso de drogas é muito grande ainda, principalmente o álcool que está inserido na nossa comunidade de forma legal, lícita”, declara.
Carla conta que os jovens e toda comunidade estão totalmente vulneráveis às drogas. “Ainda os nossos índices indicam que o álcool e o tabaco são os nossos piores inimigos”, enfatiza.
A psiquiatra declara também que apesar do crescimento do crack em meio a comunidade, a maconha é a droga ilícita que mais tem adeptos e consumidores. “E a faixa etária mais preocupante neste caso são os adultos de 20 aos 40 anos, estes são os maiores consumidores de maconha”, relata.
Carla expõe também que o trabalho efetivo de prevenção deve partir inicialmente da família e depois de todos os profissionais. “Este meu trabalho enfoca principalmente nos médicos e profissionais de saúde, que todos estejam sempre atentos e se integrem, por exemplo, o ginecologista pode alertar contra o uso, o clínico pode detectar muito antes de qualquer outro, pois tem a confiança do paciente”, ressalta a médica psiquiatra.

Como a família pode ajudar a evitar as drogas?

•        Afeto: Manifestações de carinho e amor são sempre bem vindas. Abrace, beije, incentive os filhos, mesmo em público. Fortaleça os vínculos entre os membros da família, incentivando o clima de afetividade, sinceridade e companheirismo entre todos.
•        Ambiente: Reduza a influência negativa que possa vir de outros grupos. Faça com que o ambiente familiar seja atrativo e aconchegante, e que seu filho se sinta bem em sua própria casa.
•        Diálogo: Ache tempo para conversas e consultas frequentes sobre qualquer assunto. Reserve um horário especial para cada membro da família. Mantenha em casa um clima de diálogo franco e aberto. Converse com seus filhos sobre o consumo de álcool e de outras drogas, mas também sobre demais assuntos que fazem parte de seus interesses.
•        Exemplo: Álcool e cigarro são drogas lícitas. Evite consumi-las, se não quiser estimular seus filhos a fazerem o mesmo. Viva o que você recomenda aos seus filhos. Mesmo que os contestem ou questionem, terão nos pais os melhores exemplos e guias.
•        Liberdade: Mais autonomia significa maior capacidade de decisão. Incentive a responsabilidade de cada um. Respeite os valores e os sentimentos de seu filho. Evite criticá-lo o tempo todo.
•        Modelo: Cuide para que a relação com os filhos seja fundamentada na confiança e no respeito. Isso cria um modelo de comportamento para eles. O jovens precisam de bons modelos.
•        Ocupação: Encoraje as atividades criativas e saudáveis de seus filhos, ajude-os a lidar com as pessoas de seu meio, motive-os a tomar decisões, ensine-os a assumir responsabilidades e estimule-os a desenvolver valores fortes e o senso crítico diante das mais diferentes situações, inclusive das drogas.
•        Participação: Tome decisões em conjunto. Assim todos percebem que suas opiniões e pontos de vista são respeitados.
•        Presença: Reforce as relações familiares, participe mais das atividades dos filhos. Cresça com seus filhos.
•        Prevenção: Explique sempre aos filhos quais são os riscos do uso de entorpecentes. Ensine-os a não experimentá-los.
•        Princípios: estimule princípios espirituais, em contraposição aos valores materiais.
•        Regras claras: Imponha limites. Quando fizer alguma proibição, não deixe dúvida sobre suas razões. O amor de pai e de mãe precisa ser exigente. Esse amor acompanha, coloca limites, exige comportamentos, orienta respostas, deixe as regras claras e atente para os sinais de fraqueza. Confie em seus filhos.

* Fonte: Texto base da Campanha da Fraternidade 2001 - CNBB

Deixe sua opinião