Caderno Saúde 0506 - Novos procedimentos para rejuvenescimento vaginal
Publicado em 05/06/2020

Folha Saúde

Página 6 e 7

Foto: Reprodução/FS

Além de  problemas fisiológicos relacionadas ao avanço da idade, alguns outros fatores como alterações hormonais na adolescência, obesidade, diabetes e partos podem provocar alterações no aparelho genital feminino.

De acordo com a ginecologista e obstetra, Ramaiana Posser Duarte, a flacidez da pele é um dos principais sinais de envelhecimento e, provavelmente, o que mais incomoda a maior parte da população com mais de 40 anos, sobretudo, as mulheres. 
Segundo a médica, visualmente, o rosto é a região do corpo que mais sofre o efeito do tempo, porém a área genital também perde a sustentação com o passar do tempo. “As mulheres estão percebendo gradativamente que isso traz consequências desagradáveis, mas que podem ser tratadas. O problema da flacidez vaginal é muito comum, principalmente, entre as mulheres de idade mais avançada”, explica. 
Há diversos fatores que fazem com que o órgão genital feminino se torne flácido. Veja a seguir alguns deles.

Folha Saúde - Quais são as causas da flacidez vaginal?

Ramaiana - Sabemos que quando as mulheres ficam mais velhas, ocorre uma queda hormonal significativa, principalmente no período da menopausa. Com essa baixa de hormônios, os tecidos do assoalho pélvico – estrutura muscular que sustenta os órgãos presentes na cavidade pélvica – perdem as fibras, compostas por colágeno. Isso traz consequências incômodas às mulheres, como perda urinária involuntária, falta de prazer sexual e até mesmo baixa autoestima. 
Contudo, não é somente o fator temporal que causa a flacidez vaginal, existem certos hábitos que pioram essa situação, que provavelmente já ocorreria com o passar dos anos. As principais causas, além do tempo, são:
-Falta de exercício nos músculos do assoalho pélvico (sim, a vagina, assim como todas as outras partes do corpo, precisa ser exercitada!);
-Tabagismo, pois causa desidratação das células;
-Partos (não só o parto normal, como a cesariana também causa a flacidez vaginal);
-Aumento de peso, já que causa a sobrecarga do assoalho pélvico;

 

Folha Saúde – Que tratamento ajuda a diminuir a flacidez vaginal?

Ramaiana - O procedimento a laser ou com radiofrequência. É semi-invasivo e realizado por um médico em consultório. Não envolve incisões ou suturas e não requer mais que uma hora por sessão. Esse tratamento é minimamente invasivo, praticamente indolor e rápido. A pessoa não precisa ficar em repouso estendido após a realização.
O tratamento usualmente não requer anestesia, porém, se a paciente preferir, um creme anestésico pode ser usado.

Folha Saúde – Quais são os benefícios deste tratamento?

Ramaiana - A ação de estimulação do laser no colágeno melhora o estado da mucosa que reveste as paredes vaginais e promove a reidratação e recuperação funcional dos tecidos vaginais. O laser vaginal age na parede da vagina (corresponde à derme da nossa pele), estimulando por efeito térmico a formação de fibras de colágeno, reticulares elásticas. 
Graças a sua ação sobre fatores que determinam o ressecamento, fragilidade e perda de elasticidade da mucosa, este tratamento de regeneração pode eliminar:
-Sintomas incômodos de coceira;
-Irritação e dor, que se tornam particularmente agudos durante o ato sexual;
-Diminuição dos sintomas de perda urinária;
-Melhora da lubrificação vaginal.

Folha Saúde – Em quanto tempo é possível perceber o resultado?

Ramaiana - Os resultados podem ser observados aproximadamente um mês e meio após o final do tratamento.
Mulheres que sofrem com a flacidez vaginal costumam ter uma queda na qualidade de vida, principalmente sexual, porque acreditam que não serão mais capazes de sentir prazer ou até mesmo de dar prazer para o seu companheiro. Porém, com o avanço da tecnologia, sobretudo, em ginecologia regenerativa, tornou-se possível tratar esse problema. 
Atualmente, os médicos ginecologistas estão recomendando às pacientes o tratamento com laser e radiofrequência para a falta de sustentação do assoalho pélvico. A partir das ondas eletromagnéticas emitidas, estimula-se a movimentação tecidual e, consequentemente, a produção de colágeno, melhorando todos os sintomas relacionados à flacidez vaginal. 
Portanto, é importante observar os sinais desse problema e oferecer ajuda profissional qualificada para que o tratamento seja efetivo e traga de volta a qualidade de vida.
“Hoje, a mulher pode aproveitar recursos que contribuem para manter  o bem-estar em várias fases da vida. O laser vaginal e a radiofrequência são recursos que chegam para somar e auxiliar na saúde plena da mulher, incluindo a sexualidade e a autoconfiança”, assevera a ginecologista.

 

Deixe sua opinião