No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

Ação conjunta
Publicado em 26/07/2018

Folha Saúde

Foto: Alina Souza / Especial FS

Campanha
O Ministério da Saúde, com as secretarias estaduais e municipais de Saúde, realiza, no período de 6 a 31 de agosto, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo, tendo como dia de divulgação e mobilização nacional 18 de agosto.
De acordo com a responsável pelo setor de imunizações do município, Tatiana Miranda, essa estratégia tem como objetivo manter elevada a cobertura vacinal contra a poliomielite nos municípios, visando evitar a reintrodução do vírus selvagem da doença, bem como vacinar as crianças contra o sarampo, evitando o aumento do número de casos e reduzindo a possibilidade de complicações da doença.
A população alvo dessa ação é composta de crianças de 1 ano até 4 anos, 11 meses e 29 dias. A meta mínima a ser alcançada corresponde a 95% de cobertura vacinal contra pólio e sarampo. O objetivo da campanha é vacinar a população alvo, independente da situação vacinal da criança.
Tatiana explica que será aplicada uma dose de cada, independente da situação vacinal.
 
Baixas coberturas
No Rio Grande do Sul, a adesão à vacina é baixa. Até o momento, segundo dados da 7ª Coordenadoria Regional de Saúde,  não foram detectados casos de sarampo nos seis municípios de abrangência da coordenadoria: Aceguá, Bagé, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra e Lavras do Sul.
Conforme o Ministério da Saúde, em 2016, o Brasil recebeu, da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Atualmente, o país enfrenta dois surtos da doença, em Roraima e Amazonas. Além disso, alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados em São Paulo, Rio Grande do Sul, Rondônia e Rio de Janeiro.
 
A doença
O sarampo é uma doença altamente contagiosa que gera sintomas como febre, tosse persistente, corrimento nasal e conjuntivite, com pequenas manchas avermelhadas que começam perto do couro cabeludo e depois vão descendo, espalhando-se por todo corpo.
O tratamento do sarampo é feito de forma a aliviar os sintomas porque essa doença é causada por um vírus e, por isso, o corpo consegue se livrar dele sozinho, sem a necessidade de antibióticos.
 
A vacina contra o sarampo é a melhor forma de prevenir a doença e faz parte do calendário básico de vacinação infantil, sendo dada às crianças entre 12 e 15 meses, com reforço entre os 4 e 6 anos. Essa vacina é altamente eficaz, mas como o vírus pode sofrer uma mutação, por vezes, mesmo pessoas vacinadas podem ser infectadas pelo sarampo anos mais tarde.
 
Sintomas
 
- Manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e depois se espalham em direção aos pés
- Manchas brancas arredondadas dentro da bochecha
- Febre alta, acima dos 38,5ºC
- Tosse com catarro
- Conjuntivite
- Coceira na pele
- Hipersensibilidade à luz
- Coriza
- Perda do apetite
*Pode haver dor de cabeça, dor abdominal, vômitos, diarreia e dor nos músculos.
* O sarampo não coça, tal como acontece em outras doenças como catapora e rubéola.

Deixe sua opinião