No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

A importância de se cuidar
Publicado em 28/11/2019

Folha Saúde

Foto: Reprodução/FS

Novembro Azul é um movimento mundial que acontece para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. Segundo a Fundação do Câncer, a doença é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros e as maiores vítimas são homens a partir dos 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau, como pai, irmão ou filho. Para finalizar este mês de prevenção e conscientização, vamos falar um pouco e fazer um alerta sobre esse tipo de câncer.

Orientação para o câncer de próstata

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), a cada hora, sete homens recebem o diagnóstico de câncer de próstata no Brasil, de acordo com as estimativas de incidência do Instituto Nacional do Câncer (Inca) para 2018 (68 220 casos/ano). O tumor mais incidente no homem (excluindo-se o câncer de pele não melanoma) ainda mata cerca de 20% das pessoas (14 484 óbitos em 2015).
A campanha Novembro Azul é a forma como SBU encontrou para orientar a população sobre o câncer de próstata. No entanto, mesmo que o mês de novembro seja o ápice de ações de conscientização e prevenção, os cuidados com a saúde do homem devem receber atenção durante todo o ano.
De acordo com o presidente da SBU, Dr. Sebastião Westphal, hoje em dia não é mais o preconceito com o exame da próstata que afasta o homem do consultório médico, mas, sim, o medo de ser diagnosticado com a doença. No entanto, atualmente, existem tratamentos conservadores indicados em casos de doença de baixa agressividade, nos quais não se realiza nenhum procedimento, apenas se acompanha a evolução da doença com exames periódicos.
A recomendação da SBU é que homens a partir de 50 anos procurem um profissional especializado, para avaliação individualizada. Aqueles da raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar aos 45 anos. O rastreamento deverá ser realizado após ampla discussão de riscos e potenciais benefícios, em decisão compartilhada com o paciente. Após os 75 anos, poderá ser realizado apenas para aqueles com expectativa de vida acima de 10 anos.

A doença

Do tamanho de uma castanha e localizada abaixo da bexiga, a principal função da próstata é produzir uma secreção fluida para nutrição e transporte dos espermatozoides. Ao longo da vida, a glândula pode desenvolver três doenças: a prostatite (inflamação), a hiperplasia prostática benigna – HPB (crescimento benigno) e o câncer.
A prostatite chega a atingir cerca de 30% dos homens. Pode causar ardor ou queimação ou um desconforto junto ao orgasmo; esperma de cor amarelada e vontade frequente para urinar. A principal causa para a doença são uretrites, como a gonorreia, após relacionamentos com parceiras com infecções ginecológicas ou relação anal sem preservativo.
Já a HPB pode atingir cerca de 50% dos homens acima de 50 anos e provoca aumento da frequência urinária diurna; diminuição da força e do calibre do jato urinário; demora para iniciar a micção; sensação de urgência para urinar, entre outros sintomas.
O câncer, por sua vez, não costuma apresentar sintomas em fases iniciais, quando em 90% dos casos pode ser curado. Ao apresentar sintomas significa que está numa fase mais avançada e pode causar vontade de urinar com frequência, presença de sangue na urina ou no sêmen, dor óssea e dores ao urinar.

Fatores de risco
– Histórico familiar de câncer de próstata: pai, irmão e tio
– Raça: homens negros
– Obesidade
– Sedentarismo

Prevenção e tratamento

Conforme orientação do Ministério da Saúde, a única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos, com fatores de risco, ou 50 anos, sem fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal. Por meio da análise, o médico avalia alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos.
Cerca de 20% das pessoas com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal. Outros exames poderão ser solicitados se houver suspeita de câncer de próstata, como as biópsias, que retiram fragmentos da próstata para análise, guiadas pelo ultrassom transretal.
A indicação da melhor forma de tratamento vai depender de vários aspectos, como estado de saúde atual, estágio da doença e expectativa de vida. Em casos de tumores de baixa agressividade há a opção da vigilância ativa, na qual periodicamente se faz um monitoramento da evolução da doença intervindo se houver progressão da mesma.
Para a Fundação do Câncer, adotar hábitos saudáveis diminui o risco de várias doenças, inclusive o câncer. A recomendação da instituição é manter uma alimentação saudável e equilibrada; não fumar; identificar e tratar adequadamente a pressão alta, diabetes e problemas de colesterol; manter um peso saudável; praticar regularmente atividades físicas.

Deixe sua opinião