No Ar
Folha do Sul
Web Rádio

SAÚDE - Mulheres sofrem mais com problemas gastrointestinais?
Publicado em 20/03/2020

ConteMPorâneo

Foto: Reprodução/FS

PÁGINA 4


A maioria das doenças gastrointestinais em mulheres não é diferente daquelas que ocorrem em homens. Existem vários distúrbios, no entanto, que ocorrem com maior frequência ou se manifestam de forma diferente nas mulheres. 
Não se sabe ao certo, segundo o gastroenterologista Jorge Kaé Filho, o motivo pelo qual mulheres têm maior percepção de problemas gastrointestinais ditos funcionais, por exemplo, indigestão, gases, cólicas, distensão abdominal, constipação intestinal (prisão de ventre) e diarreia. Acredita-se que fatores hormonais possam ser a causa para essa ocorrência. Outra relação é a que ocorre entre alterações do estado emocional e a percepção de sintomas gastrointestinais. 

 

Problemas intestinais em mulheres

O intestino feminino pode estar sujeito a algumas questões específicas que o caracterizam como mais sensível. Isso ocorre devido a características físicas, emocionais e culturais. Segundo o gastroenterologista, há alguns motivos para o sexo feminino sofrer com alguns distúrbios, entre eles:
Ciclo menstrual -  Provoca alterações hormonais constantes, que podem trazer efeitos negativos para o funcionamento gastrointestinal.
Gravidez - É normal que a gravidez facilmente ocasione hemorroidas, dificultando a evacuação.
Maior tendência a segurar vontades - As mulheres costumam se preocupar mais com a higiene e possuir um maior constrangimento em relação a odores e sons em banheiros públicos, fazendo com que muitas vezes o trânsito intestinal não seja respeitado ao segurar vontades para que possam utilizar o banheiro em casa. Este é um comportamento extremamente prejudicial para a saúde do intestino.
Estresse - As mulheres ainda tende a sofrer mais com o estresse do que os homens. Além disso, os fatores emocionais influenciam o intestino, tanto quanto os fisiológicos. Para evitar problemas intestinais é muito importante cuidar também da saúde emocional. Lembre-se de que o sistema digestivo é como um segundo cérebro, e que os nervos o afetam muito.
O intestino das mulheres também está mais sujeito a doenças como o câncer e a síndrome do intestino irritável.  

Conheça algumas das doenças gastrointestinais mais comuns e alerta para a importância de consultar um médico para obter o diagnóstico correto:
Má digestão: os sintomas são dores no abdome ou  presença de outros distúrbios gástricos, como, por exemplo, sensação de estômago cheio, enjoos, eructações e vômitos.  Vários são os problemas que podem causar indigestão. Comer depressa demais sem mastigar direito os alimentos, beber exageradamente durante as refeições, abusar de alimentos gordurosos e frituras.
Síndrome do intestino irritável: ocorre cerca de quatro vezes mais em mulheres que em homens, além de ser mais comum em jovens. Há hipersensibilidade a irritantes (como gases intestinais) que não seriam incômodos para outras pessoas. Acredita-se que a causa seja devida ao modo como os nervos intestinais enviam mensagens para o cérebro. Se uma pessoa tem estresse emocional, a resposta parece ser pior. Este é um problema “funcional” - isto é, o intestino não está funcionando em um nível normal. Os sintomas geralmente incluem diarreia, constipação ou combinação de ambos. Inchaço e dor abdominal fazem parte da síndrome, inclusive, muitas vezes, melhoram após evacuar. 
Câncer colorretal: trata-se da segunda neoplasia maligna mais comum em mulheres, atrás somente do câncer de mama. Os sintomas dependem da localização do tumor, mas frequentemente incluem o sangramento pelo reto e o aumento do número de evacuações. Em alguns casos, somente a anemia pode der identificada. As mulheres devem ser aconselhadas a seguir as diretrizes atuais para serem examinadas a partir dos 45 anos e conversar com seus médicos se tiverem um histórico familiar da doença, caso em que devem ser examinadas em uma idade mais precoce e em intervalos mais frequentes. 
Prevenção
Para problemas no trato intestinal, Kaé Filho orienta para hidratar-se adequadamente, realizar exercícios e ingerir alimentos ricos em fibras. O gastroenterologista recomenda, ainda, evitar o consumo de laxantes, de qualquer tipo.
É necessário,  conforme o explica o médico, prestar atenção ao corpo. Diarreias ou constipações que duram mais de 15 dias, emagrecimento, anemia, qualidade das fezes ou presença de muco ou sangue são sinais de alerta para buscar ajuda médica e investigar as causas. 

Deixe sua opinião