Bagé / RS, Sábado, 23 de Maro de 2019
Siga-nos:

Colunistas

Cássio Lopes
Coluna: Cultura
Perfil: Pesquisador regional
Cultura

Como eram conservados e refrigerados os alimentos e bebidas na Campanha Gaúcha

A geladeira é muito antiga nos lares mais abastados da campanha, mas é preciso observar os que esta denominação não é sinônimo de refrigerador. As geladeiras eram uma espécie de armários de madeira bem construídos com as portas vedadas e um compartimento ou gaveta confeccionado em material galvanizado para colocar as barras de gelo que eram compradas nas raras fábricas de gelo da cidade. A sua eficiência na conservação de alimentos deixava muito a desejar, pois derretendo o gelo nela colocado, terminava a sua capacidade de conservá-los. Ainda hoje, existem muitos desses móveis servindo de decoração nas residências mais requintadas e em museus como o de Colônia Nova, interior de Aceguá.
O refrigerador a querosene, propriamente dito, começou a ter expressão a partir da segunda metade da década de 1950; mesmo assim, a expressiva maioria das nossas residências não o possuía; daí, a precariedade dos métodos usados para gelar as bebidas, por exemplo; nas carreiras, nos bailes, nos casamentos, aniversários, marcações, etc... Usava-se fazer um buraco no chão e colocar a bebida junto a barras de gelo cobertas com muita serragem; muitas vezes, nem gelo se conseguia o que obrigava os carpeiros ou responsáveis pela bebida colocar somente água fresca dentro de um barril ou dos mencionados buracos, onde mergulhavam as garrafas.
Apesar disso, todas as pessoas bebiam alegremente sem reclamar disto ou daquilo.
Para a conservação, especialmente de carnes, a fiambreira era um método muito empregado, até os dias de hoje podemos constatar a presença de algumas espalhadas pela campanha gaúcha. Trata-se de uma espécie de gaiola de tamanho variável com medidas aproximadas de um metro de altura por mais ou menos oitenta por oitenta (80 x 80) centímetros de lado, fechada por todos eles com tela fina para evitar a entrada de moscas. Dotada de uma porta vertical do tamanho de um lado inteiro e a parte superior e a base inferior feitas de tábua sendo que, na parte superior interna, eram colocados alguns ganchos para pendurar carnes, morcilhas, charque, doces cristalizados e pêssegos para secar, etc... Essas fiambreiras, no verão, eram penduradas na sombra das árvores do terreiro, onde a brisa é sempre fresca e, por isso, mantinham a carne em boas condições por mais tempo e sem o risco das moscas colocarem vareja; em muitos casos eram dotadas de um gradil feito de caibros para colocar os queijos recém-saídos dos cinchos.
Para a conservaçcão de outros alimentos como o leite usava-se colocá-lo em garrafas de vidro (não havia o plástico) bem fechadas e acondicioná-las dentro de um balde e soltar para dentro da água do poço ou cacimba com a corda e a roldana de puxar água, pois ali mantinham-se numa temperatura extraordinária evitando que talhasse e ou azedasse.
Os ovos eram conservados imersos em água de cal.
As apreciadíssimas linguiças desidratavam em pouco tempo se não forem conservadas em temperaturas abaixo de 10°C. Para mantê-las como se fossem feitas no dia, as sábias mulheres gaúchas usavam cozinhá-las e depois colocá-las no interior das latas de querosene cheias com banha assim como outras carnes nobres: os lombos de porco e outras que havia interesse em poupar para uma ocasião especial; acondicionadas dessa forma, essas maravilhas podiam passar de um ano para o outro em perfeitas condições.
As parvas ou "palvas" serviam para a conservação de milho, abóbora e, principalmente, batata doce. As parvas de milho eram feitas dentro das próprias lavouras onde este era colhido e tinham a forma piramidal ou cone invertido, pois os pés da planta eram arrancados e amontoados com as canas de pé.
As parvas para batata doce eram feitas com milhã ou com a fina e branca areia encontrada em muitas sangas, arroios e beira de estradas; primeiro fazia-se um lastro espesso de milhã ou areia e depois se colocava uma camada de batatas sem que uma encostasse-se à outra; depois, outra camada de milhã ou areia e assim sucessivamente.
O milho era classificado para retirar o "restôio" ou restolho e era empilhado com casca. Essa tarefa exigia uma técnica especial, caso contrário, as pilhas desmoronam.

Fonte:

MATTOS, Eron Vaz. "Aqui – Memorial em Olhos D’água", Bagé, Gráfica CECOM, 2003. 210p.
https://www.youtube.com/watch?v=vMJ-EIneCuY

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 86 resultados encontrados
  • 27/08/2018 - Cultura

    Desrespeito e falta de educação no trânsito de Bagé

    Segundo o último senso do IBGE, Bagé tem uma população aproximada de 122 mil habitantes e uma frota estimada de 66 mil veículos, distribuída em 39 053 automóveis, 1 378 caminhões, 272 caminhões tratores, 5 128 caminhonetes, 1 936 camionetas, 235 micro-ônibus, 14 450 motocicletas, 1 681 motonetas...
  • 13/08/2018 - Cultura

    Homenagem ao meu pai

    Valdeci Ritta Lopes nasceu no dia 15 de agosto de 1941, no Corredor da Bica (atual Corredor dos Barres), interior de Hulha Negra. Filho de Apolinário Corrêa Lopes e Jozima Ritta Lopes, sendo um dos mais novos dos 11 irmãos.
    A família residia num rancho de pau a pique, coberto com palha de santa...
  • 30/07/2018 - Cultura

    Padre José Macke

    José Macke Filho nasceu em Rolante, em 29 de agosto de 1931. Filho primogênito de José Macke e Maria Kloppenburg, ambos nascidos na Alemanha. Mais tarde, a família mudou-se de Rolante para a Colônia do Rio Negro, atual Trigolândia, no interior de Hulha Negra. Nessa localidade, iniciou o primário...
  • 16/07/2018 - Cultura

    A fuga de Brizola para o exílio no Uruguai

    Existe muita boataria a respeito dos últimos momentos de Leonel Brizola antes de se exilar no Uruguai, em 1964. São várias versões sobre o episódio. A primeira sustenta que ele teria se vestido de mulher e ido de Porto Alegre até uma praia do litoral norte, onde embarcou num fusca, atravessando...
  • 02/07/2018 - Cultura

    Paulo Brossard de Souza Pinto

    Paulo Brossard de Souza Pinto nasceu em Bagé-RS, em 23 de outubro de 1923. Filho de Francisco de Souza Pinto e de Alilla Brossard de Souza Pinto e neto materno de Julian Brossard, uruguaio apaixonado por política migrado para o Brasil no século 19. Além de Paulo, o casal Francisco e Alilla teve...
  • 18/06/2018 - Cultura

    Tumbeiro

    Antigamente, era comum aparecer numa estância um gaúcho com intenção de descansar no galpão, por uma temporada, enquanto seu cavalo engordasse um pouco, solto em uma invernada. A esse tipo de gaúcho dava-se o nome de “tumbeiro”. Eram homens de bons antecedentes e de boa conduta, amadurecidos na...
  • 04/06/2018 - Cultura

    História da música “Na baixada do manduca” – Noel Guarany

    Como bem destaquei neste espaço, em janeiro do ano passado, Noel Guarany esteve na Rainha da Fronteira, na década de 1970, participando da Semana Crioula de Bagé e visitando amigos, entre eles, o saudoso Gaspar Pereira Silveira. Este tinha uma estância localizada em Vichadero, no Uruguai e...
  • 21/05/2018 - Cultura

    O descaso com os cemitérios de campanha

    “No dia em que eu morrer/Façam festa com fartura/Não quero muita tristeza/Nem caixão de tábua dura. Quero bem curtinha as vela/Velório meio às escura/Me enterrem num campo aberto/Quero só gado por perto/E nego bom não se mistura”. Esses versos do cantor “Crioulo dos Pampas” resumem bem o desejo...
  • 07/05/2018 - Cultura

    Toponímia regional: Vauthier – Dom Pedrito

    No distrito de Torquato Severo, interior de Dom Pedrito, existe uma localidade com nome de “Vauthier”, nome de uma antiga estação ferroviária da linha Livramento/São Sebastião, que homenageia um engenheiro belga que trabalhou na construção de diversas ferrovias brasileiras.
    Gustave-Charles...
  • 23/04/2018 - Cultura

    Romeu Waltrick

    Romeu Amarante Waltrick, filho de Henrique Oliveira Waltrick e Adalgisa Amarante Waltrick, nasceu a 11 de setembro de 1924, em Painel, Santa Catarina, sendo o décimo-primeiro entre 12 irmãos. Foi o único filho a sair de Santa Catarina, vindo servir o exército em Porto Alegre, em 1942. Por um...
Exibindo 1 a 10 de 86 resultados encontrados
  • Página de 9
Clique TV
IMPOSTO DE RENDA | DICAS, MITOS E VERDADES
Assista também:
Carnaval| Café com a Redação
Clique Social

Coluna Social

Divulgação/FS

LEMBRAM quando comentei aquele evento gastronômico musical do consulado do Uruguai no Imba, nos anos 90? Naquela época, a cônsul era Suzana...

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.