Bagé / RS, Terça-feira, 28 de Maro de 2017
Siga-nos:

Colunistas

Cássio Lopes
Coluna: Cultura
Perfil: Escritor, pesquisador, ambientalista e fotógrafo
Cultura

Quem meu deu um soco?

Crédito: Reprodução/FS

Por volta da década de 1960, Oscar Chaves estava em sua casa jogando truco com seu pai e tios. Lá pelas tantas enjoou de tanto jogar e resolveu ir a um baile no salão do seu Estácio, na vila de São Martim. Era uma noite escura e a tal chuvinha de molhar bobo tomava conta do horizonte. Chegando na frente do salão encontrou seu irmão, conhecido popularmente como “Mano”, de porteiro do baile. Entrou no recinto, sentou-se na frente do balcão, tomou uns tragos de canha a despacito no más, deu uma bombeada ao redor do salão e percebeu que o movimento estava mui fraco.
Passando uma hora, viu que não ia se criar o baile e resolveu dar volta para casa. Nisso, um cuera negou-se a entregar seu “ferro branco” na portaria, gritando bem pachola: “Não entrego arma pra bagaceira”. Esse deboche seria motivo de sobra para colocar qualquer xirú  “a la cria” porta afora. A não ser que fosse um amigo de infância que desejasse chamar a atenção do companheiro que há tanto tempo não via.
Em seguida, Oscar despediu-se e convidou seu amigo Júlio para ir embora. Júlio, que também não tinha gostado do baile, aceitou de vereda. E se bandiaram os dois estrada afora em direção às casas. No caminho trataram de ir para a casa do Oscar, na qual iam tomar mais uns tragos e jogar umas partidas de truco.
Chegando lá, de pronto, o pai de Oscar, Augusto Chaves, perguntou como estava o baile e Júlio respondeu: “Tava mais ou menos” e inventou de comentar: “Tu sabe que um cuera se negou de entregar a adaga para o Mano”?
O velho tinha o pavio curto e qualquer coisinha era motivo para briga, pois adorava um bochincho.  Então, Augusto respondeu: “Ah é!!! E quem é esse sem  vergonha?:”  Júlio disse: “ Nome não sei... só  sei que é um baixinho, moreno, de bigode...” e o velho completou: “mas agora ele vai ver o que é bom pra tosse”. A partir desse momento não teve jeito de atacá-lo, pois baixou a cabeça feito um touro, bufando e abrindo cancha em direção ao baile.
Chegando lá, indagou ao Mano quem era o tal baixinho, moreno, de bigode, sem vergonha, que tinha se negado a entregar a arma.  E mano explicou que era um conhecido que tinha feito uma brincadeira. Depois de tudo esclarecido, o velho se chegou pro balcão e pagou bebida pra toda a indiada. E foi aquela alegria no salão. Depois de umas quantas rodadas, o velho acabou tomando uma borracheira e logo se sentou bem no canto dum banco, desses de campanha, já adormecido de canha. Nisso, Júlio resolveu acertar contas com um tal de Senir, com o qual tinha uma rixa que carregava desde criança. A briga se estendeu pelo salão e em questão de segundos o bochincho se formou. A indiada, que estava sentada no mesmo banco que Augusto, se levantou de vereda, fazendo assim com que o banco virasse com tudo por cima do velho, lhe dando aquele tombaço. No mesmo instante que caiu, o homem deu um salto, já de arma em punho, e perguntou enfurecido: “Quem me deu um soco?”. No momento que o velho ia apertar o gatilho, Oscar, vendo o perigo, calçou sua mão na arma do velho e a levantou pro alto, evitando que o pior acontecesse, pois o trabuco cuspiu fogo e furou o telhado do salão. Depois que baixou a polvadeira a indiada decidiu levar o velho embora. No caminho da casa aproveitaram e deram vários tombos no velho, deixando-o cair nas sangas pelo caminho, pra curar a ressaca. Depois desse dia em diante, queria despertar a ira do velho era só lhe perguntar: “Quem me deu um soco?”

FONTES: Lopes, Cássio Gomes. “Batendo Tição – Causos de Gauchadas”, Bagé, Pallotti, 2016. 131 p.  

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 46 resultados encontrados
  • 25/03/2017 - Cultura

    Geração esgualepada

    Antigamente, a vida na campanha gaúcha era diferente. Tanto crianças quanto adultos e idosos levantavam cedo. Tinham deveres e obrigações. Frutas, grãos, cereais, verduras e legumes eram produzidos pelas próprias famílias em lavouras, hortas e quintas sem o uso de agrotóxicos. Os animais para o...
  • 18/03/2017 - Cultura

    Escravos digitais

    É inegável a contribuição que os avanços da tecnologia digital dos últimos anos trouxeram para a humanidade. Hoje em dia, não é mais necessário um computador para se ter acesso à internet, basta um smartphone. 
    Essa ferramenta proporcionou agilidade e praticidade para seus usuários,...
  • 11/03/2017 - Cultura

    Romance nas taperas

    Era uma tarde de carnaval, o sol abrasava os campos. Sobre uma coxilha, duas taperas perdidas em meio a uma lavoura de soja. Uma era sede de uma antiga estância e a outra fora moradia de um chacareiro. Da estrada até elas são aproximadamente mil metros de distância. O acesso é por um caminho...
  • 04/03/2017 - Cultura

    Por que as pavimentações de Bagé não duram?

    Não precisa ser muito conhecedor da nossa cidade para reparar no estado de conservação em que estão nossas vias pavimentadas. Basta trafegar pela rua Narciso Suñe e avenida Maria Anunciação Gomes de Godoy (acesso à Unipampa). A primeira, há anos conserva vários buracos, verdadeiras crateras, que...
  • 25/02/2017 - Cultura

    Capando cuiúdo

    Tupy Britto possuía um campo à margem direita do Arroio Jaguarão, bem atrás da Estância Santo Antônio, na época município de Bagé, atualmente território pertencente a Hulha Negra-RS. Tanto para sair quanto para chegar em sua propriedade, tinha que atravessar um corredor familiar, onde sempre...
  • 18/02/2017 - Cultura

    A insônia, o amor e o perdão

    Independente do motivo, é normal, uma vez que outra, perdermos o sono durante a noite. No entanto, varar madrugadas sem pregar o olho é uma doença bastante conhecida, a “insônia”. Segundo a Associação Mundial de Medicina do Sono, a insônia é uma epidemia global que ameaça a saúde e a qualidade...
  • 11/02/2017 - Cultura

    A mulher de branco e outras histórias da Estância Jaguarão/Cabanha Cambuatá

    A Cabanha Cambuatá ficava localizada no lado esquerdo da estrada do Jaguarão Grande, sentido Dario Lassance/Passo do Netto e era de propriedade de Alberto Wolff Maistein. Hoje, território pertencente ao Assentamento Roça Nova, em Candiota.
    Na década de 1990, Maistein adquiriu a Estância...
  • 04/02/2017 - Cultura

    Cavalos, cachorros e gatos: amigos do gaúcho

    A convivência do gaúcho com cavalos, cachorros e gatos vem de longa data. O primeiro foi seu leal parceiro desde as demarcações da fronteira luso-espanhola. O segundo foi seu fiel companheiro na vigilância em defesa das sesmarias doadas pela coroa portuguesa. E o último foi introduzido nas...
  • 30/01/2017 - Cultura

    Quando Cacimbinhas virou Pinheiro Machado

    Cacimbinhas saiu do mapa em 30 de outubro de 1915, pela decisão exclusiva de seu intendente à época, Ney de Lima Costa, e deu lugar a Pinheiro Machado – tal como se conhece, desde então, o município vizinho, cuja instalação remonta a 1878. A causa para tão importante decisão foi o fato do...
  • 21/01/2017 - Cultura

    Noel Guarany: o guitarreiro das Missões

    Noel Guarany, o payador missioneiro, nunca disse meias verdades. Foi do canto lírico ao canto de denúncia social. Desentendeu-se com gravadores e com a Ordem dos Músicos, polemizou faltosos valores e conceitos, criticou o tradicionalismo que não representava a verdade sobre nossos costumes,...
Exibindo 1 a 10 de 46 resultados encontrados
  • Página de 5
Enquete

Reportagem publicada na semana passada divulgou a intenção, a partir do projeto de lei (PL 7126/17) que pretende conferir, ao município de Bagé, o título de Capital Nacional da Criação de Cavalos da Raça Puro-Sangue Inglês. Com essa iniciativa, o governo municipal estuda a retomada das corridas de turfe no parque Visconde de Ribeiro Magalhães, como ocorriam no passado. O jornal Folha do Sul pergunta ao internauta se aprecia essa ideia

  • SIM. As corridas sempre levam um grande público, tornando-se mais uma atração ao local, sendo que o parque já sediou as disputas no passado.
    ( 80.6% )
  • NÃO. Deve-se providenciar um local específico para as corridas, visto que o parque da Rural já sedia eventos como provas campeiras como a Semana Crioula.
    ( 19.4% )
Ver resultado parcial
Quero votar
Clique TV
Show - Guri de Uruguaiana - Bagé
Assista também:
Operação "Lenhador" prende homem acusado de liderar o tráfico de drogas na região da Campanha
Clique Social

Coluna Social

Divulgação/FS

NO JANTAR, sexta-feira, aniversário da Iara Coronel, escutei Sapíran e Maria Luísa comentar, na roda de amigos que dividiam mesa com eles, o...

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.