Bagé / RS, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017
Siga-nos:

Colunistas

Cássio Lopes
Coluna: Cultura
Perfil: Escritor, pesquisador, ambientalista e fotógrafo
Cultura

Quem meu deu um soco?

Crédito: Reprodução/FS

Por volta da década de 1960, Oscar Chaves estava em sua casa jogando truco com seu pai e tios. Lá pelas tantas enjoou de tanto jogar e resolveu ir a um baile no salão do seu Estácio, na vila de São Martim. Era uma noite escura e a tal chuvinha de molhar bobo tomava conta do horizonte. Chegando na frente do salão encontrou seu irmão, conhecido popularmente como “Mano”, de porteiro do baile. Entrou no recinto, sentou-se na frente do balcão, tomou uns tragos de canha a despacito no más, deu uma bombeada ao redor do salão e percebeu que o movimento estava mui fraco.
Passando uma hora, viu que não ia se criar o baile e resolveu dar volta para casa. Nisso, um cuera negou-se a entregar seu “ferro branco” na portaria, gritando bem pachola: “Não entrego arma pra bagaceira”. Esse deboche seria motivo de sobra para colocar qualquer xirú  “a la cria” porta afora. A não ser que fosse um amigo de infância que desejasse chamar a atenção do companheiro que há tanto tempo não via.
Em seguida, Oscar despediu-se e convidou seu amigo Júlio para ir embora. Júlio, que também não tinha gostado do baile, aceitou de vereda. E se bandiaram os dois estrada afora em direção às casas. No caminho trataram de ir para a casa do Oscar, na qual iam tomar mais uns tragos e jogar umas partidas de truco.
Chegando lá, de pronto, o pai de Oscar, Augusto Chaves, perguntou como estava o baile e Júlio respondeu: “Tava mais ou menos” e inventou de comentar: “Tu sabe que um cuera se negou de entregar a adaga para o Mano”?
O velho tinha o pavio curto e qualquer coisinha era motivo para briga, pois adorava um bochincho.  Então, Augusto respondeu: “Ah é!!! E quem é esse sem  vergonha?:”  Júlio disse: “ Nome não sei... só  sei que é um baixinho, moreno, de bigode...” e o velho completou: “mas agora ele vai ver o que é bom pra tosse”. A partir desse momento não teve jeito de atacá-lo, pois baixou a cabeça feito um touro, bufando e abrindo cancha em direção ao baile.
Chegando lá, indagou ao Mano quem era o tal baixinho, moreno, de bigode, sem vergonha, que tinha se negado a entregar a arma.  E mano explicou que era um conhecido que tinha feito uma brincadeira. Depois de tudo esclarecido, o velho se chegou pro balcão e pagou bebida pra toda a indiada. E foi aquela alegria no salão. Depois de umas quantas rodadas, o velho acabou tomando uma borracheira e logo se sentou bem no canto dum banco, desses de campanha, já adormecido de canha. Nisso, Júlio resolveu acertar contas com um tal de Senir, com o qual tinha uma rixa que carregava desde criança. A briga se estendeu pelo salão e em questão de segundos o bochincho se formou. A indiada, que estava sentada no mesmo banco que Augusto, se levantou de vereda, fazendo assim com que o banco virasse com tudo por cima do velho, lhe dando aquele tombaço. No mesmo instante que caiu, o homem deu um salto, já de arma em punho, e perguntou enfurecido: “Quem me deu um soco?”. No momento que o velho ia apertar o gatilho, Oscar, vendo o perigo, calçou sua mão na arma do velho e a levantou pro alto, evitando que o pior acontecesse, pois o trabuco cuspiu fogo e furou o telhado do salão. Depois que baixou a polvadeira a indiada decidiu levar o velho embora. No caminho da casa aproveitaram e deram vários tombos no velho, deixando-o cair nas sangas pelo caminho, pra curar a ressaca. Depois desse dia em diante, queria despertar a ira do velho era só lhe perguntar: “Quem me deu um soco?”

FONTES: Lopes, Cássio Gomes. “Batendo Tição – Causos de Gauchadas”, Bagé, Pallotti, 2016. 131 p.  

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 37 resultados encontrados
  • 21/01/2017 - Cultura

    Noel Guarany: o guitarreiro das Missões

    Noel Guarany, o payador missioneiro, nunca disse meias verdades. Foi do canto lírico ao canto de denúncia social. Desentendeu-se com gravadores e com a Ordem dos Músicos, polemizou faltosos valores e conceitos, criticou o tradicionalismo que não representava a verdade sobre nossos costumes,...
  • 14/01/2017 - Cultura

    Noel Guarany: o guitarreiro das Missões

    Noel Borges do Canto Fabrício da Silva (Noel Guarany), o inigualável cantor-poeta dos pagos missioneiros, nasceu no dia 26 de dezembro de 1941, em Bossoroca-RS, na época Distrito de São Luiz Gonzaga e foi criado em Garruchos e São Luiz Gonzaga, sendo filho de João Maria Fabrício da Silva e...
  • 31/12/2016 - Cultura

    Núcleo de Pesquisas Históricas Tarcísio Taborda

    O Núcleo de Pesquisas Históricas Tarcísio Taborda foi fundado em 1995, tendo, como primeira presidente, a médica e pesquisadora Elizabeth Macedo de Fagundes. Também presidiram a entidade: Murilo Edgar Budó (In Memoriam), Claudio De Leão Lemieszek, José Otávio Neto Gonçalves, Jose Antonio Marques...
  • 24/12/2016 - Cultura

    Ainda existe fauna no perímetro urbano de Bagé

    Bagé é cortada por diversas sangas e arroios, afluentes do rio Negro. E foi justamente essa abundância de água que levou Dom Diogo de Souza a montar acampamento para abrigar seu exército, fato que culminaria na fundação de nossa cidade, em 17 de julho de 1811. Podemos citar como nosso principal...
  • 17/12/2016 - Cultura

    A moça de branco e as moedas de ouro

    No ano de 1979, dona Neli trabalhava como cozinheira, numa estância na zona rural de Pinheiro Machado-RS.
    Numa noite de verão, desse mesmo ano, estava dormindo tranquilamente em seu quarto, quando, de repente, foi despertada por um barulho. Acendeu o lampião e deu de cara com uma moça de...
  • 12/12/2016 - Cultura

    O bageense que salvou a vida de 1 500 expedicionários brasileiros

    João Francisco da Silva, em 1944, na época com vinte anos de idade estava servindo à pátria no antigo Regimento de Cavalaria, atual 3º Batalhão Logístico (3º Blog) e foi voluntário para ingressar a Força Expedicionária Brasileira (FEB). Em casa, conseguiu enganar a mãe e as irmãs, dizendo que...
  • 03/12/2016 - Cultura

    Baile na Serra da Hulha

    Certa feita, dois cueras que moravam no corredor dos Ritta inventaram de ir num baile na Serra da Hulha. De tardezita, depois de um dia escaldante na lavoura, voltaram para casa, tomaram um banho de açude ajeitado, passaram um amor gaúcho e se tocaram estrada afora na direção do fandango. Nesse...
  • 26/11/2016 - Cultura

    O mate feminino

    Adoçado com açúcar ou mel, perfumado com canela e jujos (ervas) ou acrescido de leite, o mate das mulheres era um primor de criatividade e uma subversão declarada ao chimarrão (amargo) dos homens. Nem os tradicionais avios eram respeitados, pois a cuia era comumente substituída por canecas de...
  • 19/11/2016 - Cultura

    Em defesa do rio Camaquã

    O rio Camaquã, declarado por lei patrimônio histórico, cultural e paisagístico da “Rainha da Fronteira”, tem suas nascentes em Bagé (Camaquã Chico), Caçapava do Sul (Camaquã do Hilário) e Lavras do Sul (Camaquã das Lavras). Mais de cinquenta por cento do território de Bagé encontra-se inserido...
  • 12/11/2016 - Cultura

    Povoados rurais: Vila Afonso Jacinto

    Em algumas viagens que realizei de Bagé a Dom Pedrito, avistei por diversas vezes à esquerda da BR-293, cerca de cinco quilômetros do Passo da Ferraria, uma igreja quase encoberta pela vegetação.  Consultando um mapa antigo, descobri o nome do local: “Vila Afonso Jacinto”. Em busca de maiores...
Exibindo 1 a 10 de 37 resultados encontrados
  • Página de 4
Enquete

Com a crise econômica que assola o país, muitas das novas administrações municipais estão revendo o repasse e de recursos e a própria realização dos carnavais em suas cidades. Em Bagé, ainda há indefinição sobre o carnaval de rua deste ano. O jornal Folha do Sul pergunta ao internauta se é favorável à realização neste ano da folia, mesmo com as contas municipais apresentarem uma série de problemas já divulgados na imprensa.

  • NÃO. A cidade precisa, primordialmente, resolver problemas estruturais, como recuperação de vias e projetos, bem como nas áreas de saúde e segurança, por exemplo. A festa é válida, mas neste momento, o município deve focar em ações para a retomada de seu crescimento, com a festa retornando maior em 2018.
    ( 90.6% )
  • SIM. O carnaval é a grande festa popular da sociedade. Mesmo que o município esteja enfrentando uma crise, como outras do passado, não se pode negar um evento tradicional e cultural, mesmo que este seja realizado com maior simplicidade.
    ( 9.4% )
Ver resultado parcial
Quero votar
Clique TV
Show - Guri de Uruguaiana - Bagé
Assista também:
Operação "Lenhador" prende homem acusado de liderar o tráfico de drogas na região da Campanha

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.