Bagé / RS, Terça-feira, 23 de Abril de 2019
Siga-nos:

Colunistas

Edgar Muza | Bagé/RS
Coluna: Política
Perfil: Radialista, comentarista de política e de notícias de geral. Liderança reconhecida nas áreas de saúde e de Carnaval.
Política

Claro que política não é para leigos

Por mais que se leia sobre política, menos a gente entende. Para quem não é da área, fica difícil. Então, muitas vezes, os profissionais de imprensa são criticados porque suas opiniões não “sentam” muito bem em determinados setores da vida pública. E aí vira uma guerra. Como vamos analisar algo que já “está formatado” e que de uma hora para outra, por interesses pessoais e partidários, troca de lado? É a política ou são os interesses? Vou deixar de lado o rodeio e ir direto ao tema. A manchete diz tudo: “DEM pode compor base do governo e fechar questão pela Previdência”. Ué sai! Então, vamos à análise. Na campanha eleitoral, o partido, dirigido hoje por ACM Neto, fez composição com Alckmin do PSDB. Se diga de passagem, que repetia a coligação entre os tucanos e os democratas (antigo PFL) na época com Marco Maciel, que foi vice de Fernando Henrique (PSDB). Até aí, foi considerado uma decisão, pelo menos, coerente. Porém, e sempre tem um porém, Onyx Lorenzoni, do mesmo partido, se rebelou e passou a trabalhar pela candidatura de Jair Bolsonaro, sendo considerado o homem-chave politicamente. Tanto é verdade que, foi anunciado que ele seria o chefe da Casa Civil, caso Jair vencesse a eleição. Estava contrariando frontalmente a decisão partidária. Até aí, nenhuma novidade. Não seria a primeira nem a última vez que isso aconteceria na política brasileira. Durante a campanha, com o crescimento de Bolsonaro, o DEM virou de lado e passou a aderir à campanha que tinha como incentivador o atual chefe da Casa Civil. E isso ficou patenteado com a fraca votação do ex-governador de São Paulo. O que se esperava?  Que o apoio eleitoral rendesse muitos cargos importantes no governo eleito. No entanto, só quem “botou a cara para bater” foi confirmado na chefia da Casa Civil. Ora, os demais componentes ficaram a “ver navios”. E isso não sentou bem a um partido que já foi muito grande na política brasileira, desde a implantação da ditadura. Antônio Carlos Magalhães (Toninho Malvadeza) e José Sarney formataram o partido da situação que deu respaldo ao governo dos militares a partir de 64. E aí foi necessário um “bate-boca” de Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro, que colocou em risco a reforma da Previdência, para que o governo se reunisse com o Legislativo. Isso aconteceu nesta semana. Após a reunião com o presidente da República, ACM Neto declarou a imprensa: “O DEM pode compor base do governo e fechar questão sobre a Previdência”. Conclusão, que se chega: o “barraco”, causado publicamente entre os presidentes da República e da Câmara, tinha o objetivo de reforçar a base do governo. Acertaram as pontas e agora, como diria Benito di Paula, tudo está em seu lugar. Coisa da política e interesses pessoais. Ou não?

Coisa que não dá para entender
O TSE declara que 2,6 milhões de títulos de eleitores estão irregulares. Os motivos são diversos. Quem não votou nas últimas três eleições terá até o dia 6 de maio para regularizar a situação sob pena de ter o título cancelado. E aí vem uma série de prejuízos e complicações que lhe trarão a perda do “importante” documento. O TSE informa que são incluídas eleições regulares e suplementares, que cada turno é considerado uma eleição. Segundo o Tribunal, “o título é necessário para obter passaporte ou carteira de identidade e para receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público, autárquico ou paraestatal, bem como de fundações governamentais, empresas, institutos e sociedades de qualquer natureza, mantidas ou subvencionadas pelo governo ou que exerçam serviço público delegado, correspondentes ao segundo mês subsequente ao da eleição”. Minha memória volta a funcionar e relembro o ano em que o governo fez a maior campanha, em tudo o que é meio de comunicação, incentivando a população a ter título eleitoral. Os cartórios ficaram abarrotados de pessoas para se credenciar. Na primeira eleição, o que valeu foi a carteira de identidade. Nem precisou o título. Aí as mentes “más” (onde eu me incluo!) chegaram a conclusão que “o título servia para tudo menos para votar”. Serviu até de piada para português “gozar” com nossa cara. Bem-feito para quem sempre está criando piadas contra “nossa mãe Pátria” Agora, pelo visto, o título passa a ser valorizado. Até quando?

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 1938 resultados encontrados
  • 23/04/2019 - Política

    Em geral - busca pelo poder é o objetivo

    Não se encontra exceção quando se analisa a luta pelo poder. Cada um com seu objetivo. E a observação não leva em conta apenas a política. Em quase todos os setores isso acontece. Nos clubes sociais e esportivos, cada dia tem mais gente querendo assumir o poder. É claro que não é só o poder que...
  • 22/04/2019 - Política

    Não se pode gastar mais do que se arrecada

    O que mais me atrai nas leituras que faço, sobre declarações de grandes economistas brasileiros, é exatamente o que o trabalhador, pai de família, pratica no dia a dia. É um tema que me motiva a comentar sobre economia, mesmo não sendo especialista. A prática popular, que tem seu fundamento, é...
  • 19/04/2019 - Política

    Nada está tão ruim que não possa piorar

    Outra vez recorro ao futebol para analisar a atuação dos três poderes do Brasil. A meia cancha não está funcionando. Não marca, não lança ao ataque e muito menos ajuda a defesa. É a impressão que fica, pelo menos em minha maneira de pensar, quando quase ninguém se entende. O Executivo em disputa...
  • 18/04/2019 - Política

    Leigos podem opinar sobre leis

    Basta para tal comparar decisões de magistrados que diferem de caso para caso. E o que é pior contrariando decisão da própria corte. Tenho usado com exemplo a prisão em segunda instância. É necessário exemplificar. O Supremo “decidiu”, por seis votos a cinco, determinar a prisão após condenação...
  • 17/04/2019 - Política

    Impor medo ainda é a arma dos medíocres

    Quem conviveu com a ditadura irá entender o tema de hoje. Antes de mais nada, quero repetir o que motiva este espaço: Escuto e leio tudo o que as autoridades dizem, depois tiro minhas conclusões, critico ou elogio, dentro do que penso sobre o tema. Porém, não pretendo jamais, me tornar o “único...
  • 16/04/2019 - Política

    Centrão não está satisfeito com governo

    Não é um fato constatado agora. O zum-zum é antigo, desde o momento em que as exigências não foram atendidas. Reclamação sobre a falta de diálogo é a cortina de fumaça que procura esconder o real motivo. A bola da vez são os decretos assinados pelo presidente durante cerimônia dos 100 dias de...
  • 15/04/2019 - Política

    Não está afinando o violão com a gaita

     
    Nelson Rodrigues já afirmava que “a unanimidade é burra”. Então, não podemos querer que decisões governamentais fossem aprovadas por todos os seguimentos políticos. Cada partido, independente de ser, ou não, coligado com o governo, pense da mesma maneira. Isso é quase impossível. Não sei se o...
  • 13/04/2019 - Política

    Não quero falar com vocês! Tenho dito!

    A democracia e o cargo público exercido pelo voto da população mostram realmente a personalidade do eleito. Sem mal comparar, mas comparando, é igual ao “borracho”. O cidadão alcoolizado toma certas atitudes que sóbrio jamais deixou transparecer. Quantas pessoas simpáticas, que aparentam...
  • 12/04/2019 - Política

    Ajustar o gasto para caber no orçamento

    Os governos eleitos completam 100 dias de gestão. A prestação de contas é o caminho natural para quem quer “azeitar” a máquina pública. Estava tão enferrujada, gastando acima do que arrecada, que não teria outra solução senão diminuir o gasto público. A maioria dos estados e municípios...
  • 11/04/2019 - Política

    Já começou o inferno astral de Temer

    Este filme já vimos com outros personagens. Bancas advocatícias famosas e advogados não menos famosos, que estão a serviço de políticos denunciados por corrupção. A profissão, nobre se diga de passagem, de defensores da Justiça, nunca esteve tão em alta. Aliás, ela já vem sendo valorizada a...
Exibindo 1 a 10 de 1938 resultados encontrados
  • Página de 194
Clique TV
OPERAÇÃO SÃO CRISTOVAN | POLÍCIA CIVIL BAGÉ
Assista também:
OPERAÇÃO EMBOSCADA | POLÍCIA CIVIL
PUBLICIDADE
Clique Social

Coluna Social

Divulgação/FS

BODAS DE OURO, Teresinha Ofanda Salis Costa e Silva e Oscar Costa e Silva Júnior celebraram 50 anos de casados, sexta-feira (19), escolheram uma...

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.