Bagé / RS, Sábado, 23 de Maro de 2019
Siga-nos:

Colunistas

Edgar Muza | Bagé/RS
Coluna: Política
Perfil: Radialista, comentarista de política e de notícias de geral. Liderança reconhecida nas áreas de saúde e de Carnaval.
Política

O que dá para rir, dá para chorar

É uma notícia interessante e que vem ao encontro da maioria dos brasileiros. Cantado em verso e prosa, o inchaço da máquina pública, nos três poderes, sempre foi atribuído à politicagem reinante a cada eleição. Os partidos que compõem a base do governo andam em busca das “tetas” que abrigarão seus cabos eleitorais. Outro dia, neste espaço, comentei a decisão do futuro governo em liberar três edifícios em Brasília, alugados por R$ 85 milhões, onde funcionavam Ministérios. Seis mil pessoas ali trabalhavam. Gostei da decisão porque sei, como muitos sabem, que um dos problemas do Brasil é o inchaço da máquina pública. Os partidos assumem compromissos com seus filiados e, ao assumir cargos-chaves nos governos, levam todo seu “time” para que nós, contribuintes, paguemos. No final de semana, li uma matéria que explica muito bem o que acontece com os cabides de empregos: “A tensão nos comissionados na Explanada dos Ministérios deve aumentar em doses lentas”. Olhem para os números: são 23, 100 mil ocupantes em cargos de livre nomeação. Isso quer dizer o político que assume um Ministério, nomeia quem ele quiser. Isso está sendo estudado a tal ponto que a decisão inicial é "não ocupar os cargos que ficarão vagos”. É claro, ao mesmo tempo que agrada a maioria da população, desagrada quem pode ficar sem emprego. Porém, o país não é uma instituição de assistência social. O temor maior, tenho certeza, é que esta decisão venha provar que estes cabos eleitorais não são necessários para a máquina funcionar. Alguns nem comparecem ao emprego. Eles estão a serviço do ministro que o nomeou e vivem viajando fazendo campanha política, com o dinheiro dos impostos pagos por nós. Aí me lembrei de um programa cômico, da década de 50, levado ao ar pela Rádio Nacional do Rio, que afirmava: “houve a maior revolução nos ministérios, quando o governo resolveu dispensar os funcionários que levavam cafezinho nos gabinetes”. Conto este fato para confirmar que o inchaço da máquina não é coisa de hoje. Nenhum governo conseguiu diminuir. A esperança é que Bolsonaro consiga terminar com os “cabides de emprego”. E que este efeito atinja os demais poderes. Já imaginaram quanto será economizado em gastos que muitos consideram supérfluos? Sempre uso como exemplo a prefeitura de uma cidadezinha mixuruca: Paris. Até pouco tempo, tinha em seus quadros registrados 500 funcionários. Eram apenas os burocratas que fiscalizavam os gastos. Qualquer tipo de serviço era contratado por licitação. Então, para que tantos cargos comissionados? Certa feita, um crítico político, gozador, afirmou que se todos os funcionários lotados no Congresso, fossem obrigados a assinar ponto na mesma hora haveria congestionamento de trânsito. Mas não fica apenas nos 23 mil. A limpeza recairá a cerca de 97 mil ocupantes de funções na administração pública indireta. Se aprofundarmos a análise chegaremos a conclusão lógica: Isso obrigará os estados e municípios proceder da mesma maneira. Se as verbas estão curtas, se não há dinheiro disponível, qualquer negociação que vise auxílio federal, terá em seu bojo a exigência da diminuição da máquina. Os estados e municípios que quiserem negociar suas dívidas pedindo reforço financeiro à União, com certeza, terão que se enquadrar no enxugamento da máquina. Cá de longe, fico a torcer que a decisão que está sendo tomada, seja cumprida pelo menos em 50%. Em todos os níveis. E, aqui vai outra análise, em cima desta notícia. Diminuindo o gasto público, sobrará recursos para investimento em infraestrutura. É o que mais tem faltado nos governos. Um dos motivos pelas quais e indústria não tem crescido. Não há energia elétrica suficiente (os apagões estão ai mesmo para provar), não há estradas para escoamento da produção (e isso a imprensa tem mostrado) e a demora para embarque nos portos brasileiros. Tudo isso são provas mais do que suficiente para se defender a diminuição da máquina pública. Indústria e comércio são geradores de empregos. Mas não têm crescido nos últimos anos, pelo menos acompanhando o crescimento de outros países. De longe, alguns dirão, é fácil dar opinião. É verdade. Contudo, quando nos baseamos em decisões anunciadas, é lógico que a análise aflora. E, quando comparamos com as empresas privadas, fica mais fácil ainda. Até o ano quem vem. S.D.Q.     

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 1913 resultados encontrados
  • 23/03/2019 - Política

    A prisão de Temer conflita o Judiciário

    Quando se trata de interpretação das leis, sempre acontece o debate. Não fosse assim não teríamos acusadores e defensores. E aí entra o grande problema que tenho detectado em interpretações judiciais. Todo o leigo, por ser leigo, pode contrariar decisões judiciais? Ora bolas, para nós leigos,...
  • 22/03/2019 - Política

    Quem pratica o mal não pode esperar o bem

    Esse é um ditado antigo, que alguns atribuem às religiões, que vale para o momento. Me veio à mente após ser concretizada a prisão de Temer e Moreira Franco. Não sei quanto tempo eles permanecerão na cadeia. Nem importa para o momento. O que importa é que mostra que as instituições continuam...
  • 21/03/2019 - Política

    O trem da corrupção saiu dos trilhos

    Como procurei um título para a coluna de hoje. O que me veio à mente foram os antigos descarrilamentos de trens de passageiros e ou de cargas. Até que os profissionais da viação férrea conseguissem liberar os trilhos levava um bom tempo. Pelo que se observa hoje, com as instituições funcionando...
  • 20/03/2019 - Política

    Briga pelo poder e briga de beleza

    Não lembro de nada semelhante como o que está acontecendo agora. Tem encrenca em tudo que é setor da atividade política. A briga pelo poder é constante. Dentro dos próprios partidos que ajudam eleger presidentes, governadores e prefeitos, as correntes partidárias criam mais confusão entre si, do...
  • 19/03/2019 - Política

    Olavo de Carvalho não muda de lado

    Ele é convicto defensor da democracia. Embora, em alguns momentos, seus comentários dê a impressão que é defensor da ditadura. Ele sempre defendeu o direito de todo o cidadão se manifestar. Quando criticou o governo Lula, mostrou antecipadamente no que poderia dar. E deu. Ele saiu do Brasil há...
  • 18/03/2019 - Política

    Quem tem medo de fiscal é sonegador

    É um tema antigo que vem à tona em momentos de crise. Vamos começar pela corrupção. Ela é nova? Foi criada de uma hora para outra? Ela vem sendo gerada desde a reunião entre os “ministros” com Jesus, segundo afirmam os estudiosos. Quando Judas teria "vendido" Cristo, recebendo em moedas da...
  • 16/03/2019 - Política

    Quem mandou matar Marielle? Eis a questão

    É a pergunta que já está se tornando comum, mas necessária. Parece que não vai parar tão cedo, pelo menos, enquanto não descobrirem o mandante. É bom que descubram para evitar a exploração política e a velha guerra entre o “bem e o mal”. O PSOL, partido que abrigou a combativa vereadora,...
  • 15/03/2019 - Política

    Galo torto não desconfia sem motivo

    Muitos temas propiciam desconfiança porque lhes dão motivos. Assim é a vida. Ninguém é obrigado a representar papel de Pedro Bó, o idiota criado por Chico Anysio, que a tudo respondia com ah é, é? Justificativas para acidentes com morte de gente importante, sempre causam desconfianças. O que é...
  • 14/03/2019 - Política

    O jogo é duro. Nada que cargo não resolva

    Gosto de comparar ações políticas com samba e futebol. Eu entendo que é a maneira de usar minhas preferências profissionais, no sentido de não ser muito “duro” com as decisões políticas. Pois bem, acredito que o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, entrou em meu jogo ao afirmar: "Reforma...
  • 13/03/2019 - Política

    Líderes criticam moeda de troca

    Cada vez fico mais convicto, como se fosse preciso, que os governos servem para desenvolver as aptidões para o comércio ao dar prosseguimento ao “balcão de negócios”. É uma feira livre. Quem dá mais, ou quem cobra menos. Basta olharmos para trás que a comparação é visível. E isso acontece do...
Exibindo 1 a 10 de 1913 resultados encontrados
  • Página de 192
Clique TV
IMPOSTO DE RENDA | DICAS, MITOS E VERDADES
Assista também:
Carnaval| Café com a Redação
Clique Social

Coluna Social

Divulgação/FS

LEMBRAM quando comentei aquele evento gastronômico musical do consulado do Uruguai no Imba, nos anos 90? Naquela época, a cônsul era Suzana...

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.