Bagé / RS, Domingo, 23 de Abril de 2017
Siga-nos:

Colunistas

Edgar Muza | Bagé/RS
Coluna: Política
Perfil: Radialista, comentarista de política e de notícias de geral. Liderança reconhecida nas áreas de saúde e de Carnaval.
Política

O bicho tá pegando. Corruptos conspiram

A maioria dos políticos, estou falando sobre os corruptos, estão pisando em ovos, como diriam os mais antigos. São mais de duzentos os investigados pela Polícia Federal, entre eles, a grande maioria já está nas mãos do Supremo ou da Justiça federal, dependendo se ele tem foro privilegiado ou não. As empreiteiras que estão no “olho do furacão”, participaram da “compra de políticos” para verem suas propostas aprovadas. Com o título “ajuda de campanha”, se formou a grande base da “gang” descoberta e sendo julgada. E aí escapam poucos partidos, talvez só os menores, desta roubalheira. Mas estes, por serem pequenos e não terem representação suficiente para caçar os ladrões, se restringem, apenas a gritar. Esbravejam contra os bandidos, mas é só. Quem está salvando (ou lavando?) a pátria são as instituições. Aqui do lado de fora, apenas observando os acontecimentos, tiro minhas conclusões. No caso atual, ao escutar os envolvidos explicando os atos que não consideram ilícitos, me dá vontade de rir. Por exemplo, ao defenderem o caixa dois, apenas confirmam que ele existiu. Ou seja, dão razão aos investigadores. Então, a jogada ensaiada por todos é a seguinte: “Nem sempre caixa dois é crime”. Partindo do principio que isso seja considerado legal, está aberta a porteira para os sonegadores usarem a estratégia e sonegarem impostos. É senil, porém, uma coisa é uma coisa e outra é outra. Sem olhar para o lado jurídico, por ser leigo, me atenho a parte prática. Quem sonega imposto não está roubando do país dos brasileiros? Está. Quem roubou da Petrobras, não fez a mesma coisa? Fez. Os grandes sonegadores não usaram dos políticos para “legalizar” suas falcatruas? Usaram. Então, os reais prejudicados somos nós, que pagamos os impostos e elegemos os governantes no sentido deles solucionarem os problemas de saúde, educação e segurança. Muito esclarecedora foi a opinião da presidente do Supremo, Carmen Lúcia: "O que está sendo julgado não é se o caixa é um, dois ou três, é a procedência do dinheiro”. 
 
Onde quero chegar: eis a questão
Já cheguei há muito tempo, basta lerem minhas colunas desde o início do Folha do Sul. Os privilégios têm que acabar, respeitando a própria Constituição: “Todos são iguais perante a lei”. Os corruptos hoje, estão mais preocupados com a próxima eleição do que com os processos judiciais que estão andando nas diversas áreas do judiciário. No Supremo é mais lento do que na Justiça Federal. Imaginem o que pensam os denunciados. Até isso eu tento adivinhar. Com seus doadores, a maioria preso, não haverá quem auxilie suas campanhas. Eles não estão preocupados com seus julgamentos, mas sim com sua reeleição. Sem dinheiro, eles sabem, que ficarão em situação idêntica aos candidatos que sempre concorreram sem auxílio extra, mas sim como os recursos do próprio partido. Então, estão bolando uma reforma na Lei Eleitoral que permita ajuda de campanha de quem quer que seja, mas que será depositada no TSE, para ser dividida levando em consideração o tamanho dos partidos. Se me fosse dado a oportunidade de votar, até aceitaria em parte a sugestão. Doação sim, mas divisão igualitária sem olhar o tamanho dos partidos. O mesmo deveria ocorrer com os espaços políticos. Todos os candidatos da majoritária teriam o mesmo tempo disponível no rádio e televisão. Aí terminaria um dos objetivos para formação de coligações: O tempo na mídia. Concordam ou não?
 
Briga de foice no escuro                                                  
Na quarta (dia 15), Michel Temer se reuniu no palácio, com os presidentes da Câmara (Rodrigo Maia), do Senado (Eunício Oliveira) e do TSE (Gilmar Mendes), para tratar de uma reforma no sistema político/eleitoral. Nem me perguntem o que o Gilmar Mendes estava fazendo por lá. Sua participação política e não jurídica como querem que acreditemos, não deixa dúvida sobre sua importância na mudança, temporária eu diria, das regras eleitorais. É claro que o tema é beneficiar a quem está com a “cola presa”. Pois bem, na sexta (dia17), a presidente do Supremo, Carmen Lúcia, em entrevista à rádio CBN, assim se manifestou: "O sistema brasileiro precisa mesmo ser repensado, não tenho dúvida nenhuma. Mas a lista fechada e o financiamento fazem com que haja provavelmente pessoas que vão arvorar-se quase como donos, proprietários de partidos". Foi além, demonstrando que não concorda com a montagem de um sistema engendrado no palácio: “Talvez seja a hora da gente cumprir o artigo 14 da Constituição. Afinal, o artigo 1º da Constituição estabelece que o povo é soberano, o povo é que é titular da soberania, logo ele é que deve decidir em última instância. O artigo 14 da Constituição de 1988 prevê esses mecanismos. Talvez já tenha passado da hora da gente começar a adotá-los para que o povo se manifeste". Ela defende referendo ou plebiscito, com amplo debate para que o eleitor entenda o que vai ser modificado. Boa, dona Carmem! Mudar as regras do jogo com a partida andando não é aceita nem no futebol. Por baixo do arroz tem linguiça. Ou não?
 

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 1348 resultados encontrados
  • 21/04/2017 - Política

    Tem muita coisa que o leigo não entende

    É claro que cada colunista emite opinião, muitas vezes diferente, sobre um mesmo tema. É o meu caso, confesso. No entanto, tento seguir a máxima de Nélson Rodrigues que afirmava: “A unanimidade é burra”. O assunto de hoje não foge à regra, foi provocado pelo editorial do Jornal do Brasil, leiam:...
  • 20/04/2017 - Política

    O desespero toma conta dos corruptos

    Acompanhando as entrevistas com políticos, dirigentes partidários e até segmentos da imprensa, tem-se a impressão de que o Judiciário quer assumir o poder. Pelo menos essa é a nova “arma” de quem delinquiu. O que afirmou Romero Jucá a respeito da propina para aprovação de emendas, que...
  • 19/04/2017 - Política

    Desviar a atenção dos fatos é muito simples

    Quem acompanha o noticiário nacional e internacional, sabe que, dependendo dos fatos, uma notícia importante “tira de circulação” outra não menos. E aqui não estou propondo mudança nos editoriais. Apenas constato um fato. Dou apenas um exemplo, dentre muitos à disposição. A guerra de facções nas...
  • 18/04/2017 - Política

    Burro é quem pensa que "eles" são burros

    Não sei qual a causa específica que, cada vez mais, intensifica-se minha desconfiança. Como se isso fosse possível. Sábado (de aleluia), no horário nobre da televisão brasileira, acompanhei uma entrevista, de mais de uma hora, do presidente Michel Temer na Band. Fiquei a pensar o porquê de sua...
  • 17/04/2017 - Política

    Nominata divulgada coloca Sarney no bolo

    Muitas vezes, ao analisar uma falcatrua do presente, as pessoas deixam de dar importância a certos detalhes que aconteceram no passado. Talvez por ter sido pauta desta coluna em muitas oportunidades, o que me tornou um tanto repetitivo. Mas fico tranquilo para comentar a “lembrança” de alguns...
  • 14/04/2017 - Política

    Político que se preze gasta a sola do sapato

    Este é um tema que vimos debatendo há muito tempo. Com a escassez de dinheiro e a prisão dos “patrocinadores” de campanha eleitoral, a política terá que ser praticada à moda antiga. Amassando barro e gastando sola de sapato. O tema volta à tona após ler a opinião do dr. Abero, com quem temos...
  • 13/04/2017 - Política

    Autorização de Fachin era esperada

    É claro que cada cidadão interpreta os fatos a sua maneira. A imprensa também dá ênfase aos fatos de acordo com suas regras internas. Então, aqui e acolá, lendo os jornais e revistas, e acompanhando os noticiários, você encontra vasto material para formar sua opinião. O que aconteceu na terça...
  • 12/04/2017 - Política

    Democracia plena só se atinge com reformas

    Qual político quer tratar de reformas? Somente aqueles que estão a perigo de se reeleger e querem mudar regras do jogo com a partida andando. Vou apenas analisar nosso sistema partidário após a ditadura, mas sofrendo reflexos de decisões anteriores. Ou seja, a democracia que está seguindo...
  • 11/04/2017 - Política

    Eduardo Cunha era chinelo perto de Renan

    Os leitores que acompanham este espaço (são poucos, mas fiéis) devem lembrar de muitos temas que aqui abordamos. Entre eles, desdenhei da “força” que a imprensa atribuía ao Cunha, enquanto presidente da Câmara. Era um sujeito que “tentava” assustar os ditos “poderosos” com ameaça de denúncias de...
  • 10/04/2017 - Política

    A economia doméstica pode servir de exemplo

    No andar da carroça as melancias se acomodam. A situação a que chegou a economia brasileira, tem dado o que falar. E não é só no Brasil, a imprensa internacional tem dado ênfase ao “outro lado” da questão. Na sexta-feira 7, o Financial Times publicou uma entrevista com Henrique Meirelles,...
Exibindo 1 a 10 de 1348 resultados encontrados
  • Página de 135
Enquete

Um substitutivo apresentado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) à proposta de reforma trabalhista pretende retirar da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) a obrigatoriedade da contribuição sindical. E você, leitor, concorda com a sugestão?

  • SIM. O fim da obrigatoriedade de contribuição representará um acréscimo, mesmo que pequeno, ao valor líquido recebido pelo funcionário sindicalizado.
    ( 74.5% )
  • NÃO. Retirar este mecanismo, antes de qualquer coisa, enfraquecerá os sindicatos que, na prática, defendem os trabalhadores junto aos empresários.
    ( 25.5% )
Ver resultado parcial
Quero votar
Clique TV
Show - Guri de Uruguaiana - Bagé
Assista também:
Operação "Lenhador" prende homem acusado de liderar o tráfico de drogas na região da Campanha
Clique Social

Coluna Social

“Quando alimentamos mais a nossa coragem do que os nossos medos, passamos a derrubar muros e a construir pontes.”

Let’s trip: oxigenar é...

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.