Bagé / RS, Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Siga-nos:

Colunistas

João Batista Monteiro Camargo
Coluna: Opinião
Opinião

Uma semana pesada para a sociedade e para o judiciário, precisamos parar de naturalizar a violência

Acompanhamos no decorrer da semana o trágico caso do massacre em Suzano, acompanhamos ainda um avançar na  resolução do caso da morte da Vereadora Marielle Franco  e para finalizar a semana o Júri do caso Menino Bernardo.   Ambos os casos de extrema complexidade. No caso do massacre ficamos a refletir sobre a motivação dos jovens cometerem tamanha brutalidade contra indivíduos indefesos. Nos outros casos também falamos de indivíduos indefesos, contudo com um pano de fundo explicado ainda que injustificado. Marielle afrontava, estava a cumprir seu papel buscando melhorias e reconhecimento e principalmente representando a comunidade que lhe elegeu. Bernardo por sua vez era produto de uma discussão valorada em bens, era objeto de um relacionamento anterior, não aceito pela madrasta e pelo próprio pai.   Todas as trajetórias narradas são impactantes e giram em torno de um grande ponto que é banalizar a violência. O massacre não foi o primeiro e já estamos praticamente naturalizando que vez que outra aconteça, que vez que outra alguém com desequilíbrio de alguma ordem possa sair por aí matando, Marielle não foi a primeira a morrer por ativismo e por ser contrária a ordem vigente nos seus aspectos políticos. Bernardo não foi o primeiro a ser morto por àqueles que tinham o dever de cuidado.    Isso faz com que reflitamos sobre os motivos pelos quais deixamos enquanto sociedade que isso aconteça.
Até que ponto não poderíamos ter evitado a morte do Bernardo se o nosso sistema de Justiça estivesse efetivamente estruturado para que houvesse o acompanhamento eficiente para se conceder uma guarda – em uma Ação de Dissolução que patrocinei, onde um dos objetos da discussão era a guarda e a regulamentação de convivência a assistente social realizou o chamamento das partes ao Fórum, pois não tinha veículo para visitar as casas, ora como saber a condição em que vivem se não se conhece no mínimo o lugar de morada - , se tivéssemos um sistema eficaz que pudesse apurar as denúncias, ainda que vindas de um menino, teríamos no mínimo uma face mais séria que inibiria certamente boa parte dessas práticas. Se acreditássemos na escola como um espaço não somente de aprendizado formal certamente teríamos a atenção a criança de uma forma integral, pensada desde as necessidades mais básicas, com profissionais da psicologia, do serviço social e da educação especial a disposição para uma análise para além do que se aprende – não temos isso nem com os profissionais básicos da educação, que atuam em situação precária, com salários baixos, parcelados inclusive e ainda sem nenhum estímulo. Se nossa política fosse séria e justa certamente não teria ocorrido nenhuma morte por motivos políticos e ideológicos, e teríamos certamente uma sociedade mais justa, sem precisar que ninguém morra e nem que saia do país.
Por mais que achemos todos os culpados, por mais que haja a condenação em largos anos, por mais que deixemos para que aqueles que se mataram paguem lá no “inferno” quando não conseguimos punição aqui,   as vidas ceifadas não voltam e não podem ser somente números e estatísticas.   Precisamos enquanto Judiciário  seguir realizando um trabalho sério para que não haja impunidade sim mas para além e muito além disso precisamos que esses casos sejam exemplo daquilo que não querermos, daquilo que a sociedade não suporta.   Ações por parte dos outros poderes são mais que necessárias, o executivo precisa agir em todas suas esferas para que políticas públicas adequadas minimizem e posteriormente exterminem esse endossar de violência, não através de mais violências mas através da consciência coletiva de que vivemos em sociedade e somos seres – as vezes não- racionais e não animais em estado de natureza. Precisamos que o Legislativo se reconheça como representante do povo e proponha legislação não para termos mais e mais mas para que realmente tenhamos condutas sociais reguladas mediante aquilo que queremos – e não queremos – mas precisamos principalmente parar de naturalizar a violência, parar de endossar toda e qualquer prática que assim faça, e não só deixar de naturalizar mas também falar mais sobre isso.  Armas não são normais, não queremos mais, não existe problema de casal e briga de marido e mulher, agressões não são naturais.  A educação é responsabilidade dos pais/responsáveis? Sim e deve continuar sendo, mas a violência não é a forma de corrigir e educar.  Não podemos aceitar que determinada praça ou parque não pode ser freqüentada à noite porque é violenta, não podemos ter medo de andar em determinadas ruas/horários.   O espaço é nosso, não da violência. Parece surreal e romatizada essa visão, mas talvez tenha sido por sempre pensarmos assim que deixamos a violência chegar ao nível que chegou.   Seguimos...
 
camargojoao@hotmail.com

Comente essa notícia
Exibindo 1 a 10 de 15 resultados encontrados
  • 24/06/2019 - Opinião

    OAB veta ingresso de indivíduos que tenham cometido violência contra a mulher ou LGBTQI+

    Para Honneth (2003), a evolução da sociedade é retratada pelo impulso da luta pelo reconhecimento acarretado pelos conflitos sociais. O autor lança a tese de que toda má distribuição pode ser revolvida por uma política de reconhecimento própria, em que se baseia na ideia de que se deve conceber...
  • 17/06/2019 - Opinião

    A lei, o juiz, o justo e nós

    Leitura obrigatória nos primeiros semestres do curso de Direito, de uma "digestão um tanto quanto complicada", trata em síntese e, digo apertada síntese, na imparcialidade do julgador.   A obra apresenta outros enfoques, mas tem como objeto a forma com que as decisões precisam ser pensadas, sem...
  • 10/06/2019 - Opinião

    A Semana do Meio Ambiente e as ações de conscientização da importância de garantirmos um espaço sadio para presentes e futuras gerações

    Na semana última, estávamos em comemoração/reflexão a respeito da Semana do “Meio Ambiente”, fica entre aspas exatamente pela expressão “meio”, tal expressão já objeto de discussão dos estudiosos do tema, que entendem o ambiente como um inteiro e isso basta para decair o uso do termo meio. De...
  • 03/06/2019 - Opinião

    Da antiga violência doméstica ao novo feminicídio

    A Lei nº 11.340/06 conhecida como Lei Maria da Penha que tem por objetivo coibir,  prevenir e extinguir a violência doméstica e familiar contra a mulher ocorreu diante de um fato que se tornou público. O fato envolve a história de vida da farmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes, apenas mais...
  • 27/05/2019 - Opinião

    Sexo é sexo, gênero é gênero, sexualidade é sexualidade, querendo você ou não

    À medida em que se compreende que se o gênero versasse um destino previamente traçado, ser menino ou ser menina, como algo acabado, não seria necessário a repetição constante de normas que reafirmem as categorias e as implicações de masculino e feminino, as quais constroem e modificam os corpos....
  • 20/05/2019 - Opinião

    Idiotas (in)úteis

    Iniciamos uma reflexão na última semana a respeito das restrições orçamentárias do Ministério da Educação, mais especificamente nas universidades, citando inclusive Darcy Ribeiro, e que a crise na educação não seria uma crise, mas sim  um projeto. No dia 15, as manifestações foram intensificadas...
  • 13/05/2019 - Opinião

    Escola sem Partido – Partido sem escola

    Segundo Darcy Ribeiro, a crise na educação não é uma crise, é um projeto. Há como negar? Verificamos a infinidade de manifestações em razão dos cortes ou restrições orçamentárias na educação, os motivos são, como praticamente todos os atos justificadores dos desmandos e devaneios da atual...
  • 06/05/2019 - Opinião

    Por uma nova gestão pública

    Muito se fala na meritocracia, ocupar espaços pelo mérito, pouco se fala sobre a tecnocracia, ocupar pela técnica, pelo conhecimento.  Ainda estamos relutantes as ações afirmativas, as quotas raciais e congêneres, a maioria entende ser mais discriminatória, ou diz que assim entende com seu...
  • 29/04/2019 - Opinião

    O Brasil em reformas

    No primeiro impacto, o termo reforma nos dá a ideia de mudança, de arrumação e manutenção, quando reformamos a casa é para que ela fique melhor, mais aconchegante, talvez mais bela. As reformas são necessárias, reformamos as roupas que gostamos muito para que se adequem ao corpo maior, menor ou...
  • 22/04/2019 - Opinião

    Coelhinhos da Páscoa não existem, indígenas sim

    Um dos momentos simbólicos da nossa infância é quando começamos a saber que o coelho da Páscoa e o papai Noel, tais como vistos nas propagandas, não existem. As datas em si quase sempre são dias especiais, família e amigos reunidos, troca de regalos, mesa farta, receitas de família. Contudo, é...
Exibindo 1 a 10 de 15 resultados encontrados
  • Página de 2
Clique TV
OPERAÇÃO SÃO CRISTOVAN | POLÍCIA CIVIL BAGÉ
Assista também:
OPERAÇÃO EMBOSCADA | POLÍCIA CIVIL
Clique Social

Coluna Social

“A morte é simples mudança de veste. Somos o que somos. Depois do sepulcro, não encontramos senão o paraíso ou o inferno criados por nós mesmos”

Notícias mais lidas do dia

Clique Horóscopo

Áries

Sol e vens continuam seu caminho unidos em leão ainda motivando seu coração. Lua e mercúrio em virgem melhoram as relações de trabalho e possibilitam acordos de negócios. planos e projetos em alta.

Touro

Mercúrio e lua em virgem e ainda seu regente unido ao sol em leão abrem espaços em sua vida para um novo amor entrar. Se já for comprometido, melhora sensivelmente seu relacionamento. Finanças em alta.

Gêmeos

Seu regente entra em virgem e sua capacidade intelectual e mental aumentam sensivelmente. A fase é ótima para rever assuntos relacionados à sua família ou a questões domesticas. Comunicação em alta.

Câncer

Venus e sol unidos em leão continuam trazendo benefícios à sua vida financeira. O momento é ótimo também para pequenas viagens e assuntos de trabalho relacionados à comunicação. Amor em fase neutra.

Leão

Venus e sol em seu signo continuam agindo positivamente em sua vida, especialmente a amorosa e financeira. Mercúrio unido à lua aumenta ainda mais as possibilidades de bons acordos de negócios e ganhos financeiros.

Virgem

Mercúrio e lua em seu signo melhoram o astral que anda meio baixo, com queda de energia. Procure relaxar e manter-se protegido de ambientes e pessoas carregadas. A fase é ótima para acordos comerciais e a comunicação.

Libra

Mercúrio e lua em virgem derrubam sua energia, apesar das demandas sociais. A fase é ótima para a reflexão e a meditação. Seu regente unido ao sol em leão abrem portas para novos contatos comerciais.

Escorpião

Mercúrio e lua em virgem mobilizam sua vida social e amizades neste período. Venus e sol unidos em leão ainda beneficiam sua carreira e vida profissional. A fase é ótima para a comunicação e novos contratos.

Sagitário

O sol e Venus em leão continuam ativando seus estudos e as viagens podem se tornar seu foco neste momento. Carreira e vida profissional em alta, com possibilidade de novos projetos ou propostas de trabalho.

Capricórnio

Mercúrio e lua em virgem aceleram seus projetos e planos futuros e assuntos relacionados a viagens longas e contato com estrangeiros. Fase de grande otimismo e espiritualidade renovada. Amor em alta.

Aquário

Venus e sol em leão continuam mobilizando contatos e parcerias e melhorando seus relacionamentos afetivos e de amizades. A fase é das melhores. Cuidado apenas para não se deixar levar por pensamentos negativos.

Peixes

O trabalho continua sendo beneficiado pela passagem de Venus e do sol pelo signo de leão. Mercúrio e lua em virgem mobilizam seus relacionamentos pessoais e parcerias comerciais. Amor em alta.